Entidade condena crítica de Olavo de Carvalho à imprensa

A entidade classificou a manifestação, que foi feita em 2016 no Twitter do escritor, como "preocupante" e "fruto de intolerância"

Olavo de Carvalho é considerado um dos 'gurus' do presidente eleito Jair BolsonaroOlavo de Carvalho é considerado um dos 'gurus' do presidente eleito Jair Bolsonaro - Foto: Reprodução/Instagram

A Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) condenou nesta terça-feira (18) declaração em rede social do escritor Olavo de Carvalho, considerado um dos gurus do presidente eleito, Jair Bolsonaro, em que ele classifica jornalistas como os maiores inimigos do povo.

A entidade classificou a manifestação, que foi feita em 2016 no Twitter do escritor, como "preocupante" e "fruto de intolerância".

Nesta segunda (17), uma conta da mesma rede social que se diz manejada por um estudante de Carvalho reproduziu a frase, que afirma: "Os jornalistas são os maiores inimigos do povo, seja nos EUA ou no Brasil".

Em resposta, a entidade soltou uma nota condenando a posição.
"A ABERT reitera que os jornalistas têm como missão informar, com responsabilidade, a sociedade sobre os assuntos de interesse público. Qualquer ato ou afirmação que distorça o trabalho dos profissionais de comunicação é fruto de intolerância e de total desconhecimento do papel da imprensa em um país democrático", afirmou a entidade.

Para a associação, essa posição não é compartilhada pela sociedade brasileira.
"A ABERT está certa de que este não é o pensamento da sociedade e das autoridades brasileiras que prezam a liberdade de imprensa como um valor da democracia."

Usuário ativo de redes sociais -em uma delas, acumula mais de 500 mil seguidores-, Carvalho é considerado uma referência de Bolsonaro e seus filhos e emplacou dois ministros no novo governo (Ricardo Vélez Rodríguez para a Educação e Ernesto Fraga Araújo para o Itamaraty).

Veja também

Joice Hasselmann afirma que PSL se vendeu a Bolsonaro e entra com ação no TSE para deixar o partido
Política

Joice Hasselmann afirma que PSL se vendeu a Bolsonaro e entra com ação no TSE para deixar o partido

Câmara discute adesão do Brasil à convenção de crimes cibernéticos
Congresso

Câmara discute adesão do Brasil à convenção de crimes cibernéticos