Política

Ernesto Araújo rebate Maia e afirma ter orgulho de trabalhar com os EUA

O ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) reagiu às críticas do presidente da Câmara à visita do secretário de Estado americano, Mike Pompeo

Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Enesto AraújoMinistro das Relações Exteriores do Brasil, Enesto Araújo - Foto: Reprodução/Instagram

O ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) reagiu neste sábado (19) às críticas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à visita do secretário de Estado americano, Mike Pompeo. Maia disse se tratar de "afronta". Ernesto e Pompeo se encontraram nesta sexta-feira (18) em Boa Vista, em Roraima. Eles visitaram o projeto Acolhida, que atende venezuelanos refugiados que deixam o país comandado pelo ditador Nicolás Maduro. Durante a visita, Pompeo afirmou que "vamos tirar Maduro de lá".

"A visita do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, nesta sexta-feira, às instalações da Operação Acolhida, em Roraima, junto à fronteira com a Venezuela, no momento em que faltam apenas 46 dias para a eleição presidencial americana, não condiz com a boa prática diplomática internacional e afronta às tradições de autonomia e altivez de nossas políticas externa e de defesa", escreveu Maia, em nota.

Em comunicado publicado no site do Ministério das Relações Exteriores, o chanceler brasileiro disse que a nota de Maia, divulgada no dia anterior, "baseia-se em informações insuficientes e em interpretações equivocadas".

O chefe da diplomacia brasileira começa afirmando que o povo brasileiro é solidário com os vizinhos e que a Operação Acolhida seria um sinal desse comportamento. Ernesto então ataca novamente o regime de Maduro, seguindo a retórica largamente utilizada pelo governo Bolsonaro e seus apoiadores.

"O povo brasileiro preza pela sua própria segurança, e a persistência na Venezuela de um regime aliado ao narcotráfico, terrorismo e crime organizado ameaça permanentemente essa segurança. O povo brasileiro tem apego profundo pela democracia e o regime Maduro trabalha permanentemente para solapar a democracia em toda a América do Sul", afirma.

Usando as mesmas palavra de Maia, o chanceler afirmou que não há "autonomia e altivez" em ignorar o sofrimento dos venezuelanos e negligenciar a segurança do povo brasileiro. Ele fala em romper a espiral de "silêncio cúmplice" que contribuiu para "talvez a maior tragédia humanitária já vivida em nossa região".

Sem citar nomes, o chanceler seguiu atacando os governos de Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer, afirmando que a diplomacia brasileira entre 1999 e 2008 viveu uma "cegueira e subserviência ideológica" que teria sido prejudicial ao continente.


Como vem fazendo reiteradas vezes desde sua posse no cargo, o ministro elogiou os Estados Unidos e destacou recursos doados para a Operação Acolhida. Disse que Brasil e os Estados Unidos estão na "vanguarda da solidariedade ao povo venezuelano, oprimido pela ditadura Maduro".

Ernesto Araújo ignorou o fato de que os Estados Unidos se encontram em período eleitoral e que o atual presidente, Donald Trump, busca a reeleição.
"A independência nacional não significa rejeitar parcerias que nos ajudem a defender nossos interesses mais urgentes e nossos valores mais caros.

Promover a integração latino-americana não significa facilitar a integração dos cartéis da droga. A não-interferência não significa deixar os criminosos agirem sem serem incomodados", afirmou.

"Muito me orgulho de estar contribuindo, juntamente com o secretário de Estado, Mike Pompeo, sob a liderança dos presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump, para construir uma parceria profícua e profunda entre Brasil e Estados Unidos, as duas maiores democracias das Américas. Só quem teme essa parceria é quem teme a democracia", completou.

Veja também

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida
Saúde

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida

YouTube bloqueia vídeo de campanha de Russomanno por desrespeitar direitos autorais da Fifa
SÃO PAULO

YouTube bloqueia vídeo de Russomanno com imagens da Fifa