A-A+

Espero decisão mais forte em defesa da liberdade de imprensa, diz Glenn

Seis outros investigados viraram réus, sob suspeita de terem atuado no hackeamento de telefones de autoridades, como o procurador Deltan Dallagnol, da Lava Jato

Glenn Greenwald, editor do site jornalístico The Intercept BrasilGlenn Greenwald, editor do site jornalístico The Intercept Brasil - Foto: Divulgação

O jornalista Glenn Greenwald disse nesta sexta-feira (7) que a decisão da Justiça não aceitar agora a denúncia do Ministério Público contra ele é uma vitória, ainda que o juiz tenha utilizado a expressão "por ora" em seu despacho.

O juiz da 10ª Vara Federal do DF, Ricardo Leite, recusou abrir a ação penal contra Glenn, alegando que o jornalista está protegido por decisão do ministro Gilmar Mendes, do STF, que evoca o direito constitucional da proteção da fonte.

Seis outros investigados viraram réus, sob suspeita de terem atuado no hackeamento de telefones de autoridades, como o procurador Deltan Dallagnol, da Lava Jato.

Leia também:
Justiça rejeita denúncia contra Glenn Greenwald no caso de hackers
Bolsonaro diz a STF que não cometeu ato ilícito ao chamar Glenn de malandro


O magistrado disse, porém, ver participação do fundador do The Intercept Brasil na ação do grupo, mas afirmou que iria esperar nova determinação do Supremo para reavaliar o caso.

Glenn nega ter participado da invasão de celulares.

À reportagem, o jornalista minimizou a expressão "por ora" adotada por Leite.

"Obviamente é uma vitória. A denúncia foi rejeitada. Pode se falar 'por ora', mas isso não significa nada, a denúncia foi rejeitada", disse Glenn.

Ele também criticou o conteúdo da decisão do juiz.

O magistrado disse concordar com o procurador da República quando ele pontua que há indícios de que o jornalista instigou os hackers, mas que tinha dúvidas sobre se seria possível aceitar a denúncia dada a decisão do STF.

"Minha preocupação é esse raciocínio que bota a liberdade de imprensa em risco. Para os jornalistas, o trabalho pode ser criminalizado. A proteção da fonte, que é um dever ético de todo jornalista, pode se tornar um crime", disse.

Glenn afirma que a decisão de Gilmar Mendes "é forte" em defesa do livre exercício jornalístico mas diz esperar por uma defesa mais contundente da liberdade de imprensa por membros do Judiciário após a decisão desta quinta (6) ter colocado em dúvida o pilar da proteção da fonte. O Ministério Público pode recorrer ao STF ou ao TRF contra a decisão.

"Eu acho que a decisão de Gilmar Mendes foi forte para a liberdade de imprensa. Já essa decisão foi quase o oposto, e isso é muito perigoso. Ainda mais como este governo vem atacando os jornalistas e o trabalho da imprensa", disse.

"Eu não sei se o Ministério Público vai recorrer, mas eu estou esperando uma decisão mais forte em defesa da imprensa livre, não para mim, para o meu caso, mas para todos os jornalistas. É uma ameaça à liberdade de imprensa".

Veja também

76% acreditam que servidor chega à chefia por indicação política, diz Datafolha
Reforma Administrativa

76% acreditam que servidor chega à chefia por indicação política, diz Datafolha

'A gente vai sair junto', diz Bolsonaro ao lado de Guedes
Apoio

'A gente vai sair junto', diz Bolsonaro ao lado de Guedes