Estado do RJ move ação contra Cabral para recuperar verbas

A Procuradoria-Geral do Estado o ressarcimento de R$ 16,3 milhões supostamente arrecadados em propina no setor de saúde.

Sérgio CabralSérgio Cabral - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

O estado do Rio de Janeiro propôs nesta quarta-feira (19) sua primeira ação cível contra o ex-governador Sérgio Cabral (MDB) para tentar recuperar o dinheiro desviado dos cofres públicos.

A Procuradoria-Geral do Estado o ressarcimento de R$ 16,3 milhões supostamente arrecadados em propina no setor de saúde. Também é alvo da ação o ex-secretário Sérgio Côrtes, o operador financeiro Luiz Carlos Bezerra e os empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita.

A ação de improbidade administrativa decorre dos fatos apurados na Operação Fatura Exposta, ainda não julgada no âmbito criminal pelo juiz Marcelo Bretas.
Cabral já foi alvo de 29 denúncias que relatam, ao total, R$ 440,5 milhões de pagamento de propina.

Leia também:
MPF denuncia Cabral e dez deputados por esquema de propina na Alerj
Após 13 interrogatórios, Cabral fica calado em depoimento
MP pede na Justiça que Cabral e empreiteiras devolvam R$ 394 milhões


Procuradores afirmam que esse valor se refere apenas ao que foi possível provar, sendo considerado subestimado.

Na esfera criminal, ele já foi condenado a penas que somam mais de 198 anos de prisão. O ex-governador é acusado de cobrar 5% de propina sobre os grandes contratos do estado.

Ele sempre negou ter cobrado propina, mas reconheceu que pediu contribuição eleitoral via caixa dois e que fez uso pessoal de sobras desses recursos.
Em seus depoimentos, ele tem afirmado que sua relação com empresários não afetava as decisões administrativas no estado, como em licitações.

Veja também

Nas redes, Ernesto mina trabalho de novo chanceler e tenta manter influência ideológica no Itamaraty
Brasil

Nas redes, Ernesto mina trabalho de novo chanceler e tenta manter influência ideológica no Itamaraty

Doria aposta em estilo informal e quer romper 'pauta única' da vacina
Política

Doria aposta em estilo informal e quer romper 'pauta única' da vacina