Governo

Evangélicos e aliados de Olavo de Carvalho pressionam contra escolha de Feder no MEC

Pessoas próximas a Feder temem que a ofensiva dê certo e que o presidente volte atrás na decisão

Olavo de CarvalhoOlavo de Carvalho - Foto: Reprodução/Youtube

A ala considerada ideológica do governo, ligada ao escritor Olavo de Carvalho, e políticos evangélicos pressionam o governo Jair Bolsonaro (sem partido) nesta sexta (3) para reverter a escolha do secretário do Paraná, Renato Feder, para comandar o Ministério da Educação.

Pessoas próximas a Feder temem que a ofensiva dê certo e que o presidente volte atrás na decisão.

O MEC é alvo de disputas entre diferentes alas de influência do governo desde o ano passado, e cada grupo insiste em emplacar um indicado que atenda sua agenda. O governo tenta um nome considerado técnico, após os desgastes acumulados com o MEC, mas sem desagradar a militância ideológica mais fiel ao governo.

 

A informação de que Bolsonaro convidou Feder foi confirmada à reportagem por auxiliares diretos de Bolsonaro no Palácio do Planalto.

Após o presidente ter confirmado a escolha a aliados, setores da base de Bolsonaro entraram em campo para tentar revertê-la.

De acordo com pessoas ligadas a militares do Planalto, líderes de grandes igrejas evangélicas ligaram para o presidente questionando o presidente sobre a decisão. Pessoas envolvidas no processo, incluindo cotados para o cargo, colocam a nomeação sob desconfiança, uma vez que o próprio presidente não fez o anúncio.

Foi Bolsonaro quem fez os anúncios dos outros ministros da Educação. Isso ocorreu com Ricardo Vélez Rodrigues, Abraham Weintraub e Carlos Alberto Decottelli. Todos os nomes causaram surpresa ao serem divulgados.

Feder também não é um nome alinhado aos militares do governo. Parte desse grupo vinha defendendo o nome do atual reitor do ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica), Anderson Correia, que também é bem visto por evangélicos.

Deputados bolsonaristas, como Bia Kicis (PSL-DF), escreveram em redes sociais que o presidente escolheu o secretário do Paraná e receberam diversos comentários críticos ao nome de Feder.

O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub também publicou uma mensagem desejando sorte a Feder, e da mesma forma reclamações quanto à escolha em respostas ao post.

Um dos alunos mais próximos de Olavo de Carvalho, Silvio Grimaldo publicou mensagem dura a respeito do secretário do Paraná.

"Renato Feder entregou a Secretaria de Educação do Paraná para a Vetor Brasil, uma das ONGs de gestão educacional da Lemann. Se o @jairbolsonaro entregar o MEC para isso aí, pode apagar aquele discurso bonito na ONU", escreveu Grimaldo.

Antes de fazer o anúncio final, o governo observa a repercussão com relação à escolha de Feder e escalou deputados aliados, entre eles Carla Zambelli, para tentar arrefecer as críticas.

"Renato Feder defende a escola e o ensino sem ideologia política, qualquer q seja ela. Sabemos q ele irá trabalhar p/ formar adolescentes c/ excelência em português, matemática, ciência e afins. É exatamente o q queremos. Alunos livres e competitivos p/ o mercado. Bem vindo! Bandeira do Brasil", escreveu a deputada bolsonarista.

Como munição contra Feder, olavistas têm ressaltado sua proximidade com o PSDB e o financiamento dele para a candidatura de João Doria para a Prefeitura de São Paulo. Denúncia de crime fiscal relacionada à empresa Multilaser, da qual ele é sócio, também tem sido explorada.

Veja também

Bolsonaro manifesta solidariedade às vítimas de explosão no Líbano
Bolsonaro

Bolsonaro manifesta solidariedade às vítimas de explosão no Líbano

Ausências emitem sinais de dificuldades na oposição
CARLOS BRITTO

Ausências emitem sinais de dificuldades na oposição