A-A+

Ex-deputados soltos por engano já retornaram à prisão

Erro no número do alvará de soltura liberou ex-parlamentares do Rio

O ex-deputado e ex-presidente da Alerj Paulo MeloO ex-deputado e ex-presidente da Alerj Paulo Melo - Foto: Fernando Frazão/Arquivo/Agência Brasil

Os ex-deputados estaduais Paulo Melo e Edson Albertassi já retornaram à prisão em Bangu 8, no Complexo Penitenciário de Gericinó, depois de se apresentarem espontaneamente à Polícia Federal. Os dois deixaram a prisão, por um erro da Justiça no número do alvará de soltura expedido pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) .

Em razão de erro material, os alvarás de soltura referentes à decisão proferida na Operação Furna da Onça incluíram, indevidamente, o número do processo da Operação Cadeia Velha. Por conta disso, os ex-deputados Paulo Melo e Edson Albertassi acabaram sendo liberados da prisão, embora devessem permanecer custodiados.

Para solucionar o equívoco, o desembargador federal Paulo Espírito Santo, determinou no fim da tarde de ontem a expedição de alvarás retificados e ordenou o restabelecimento das prisões relativas à Operação Cadeia Velha.

Leia também:
Procuradoria denuncia Jorge Picciani, Paulo Melo e Albertassi por corrupção
Ministro do STF nega liminar para soltar Picciani e Paulo Melo

De acordo com a PF, Paulo Melo se apresentou, por volta de 23h20, à sede da Superintendência da Polícia Federal, na Praça Mauá e 30 minutos depois, Albertassi, às 23h50. De lá, os dois ex-parlamentares seguiram no início da madrugada de hoje para o Complexo de Gericinó.

A Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) confirmou que os dois já voltaram para a cadeia.

Veja também

PSDB entra em pé de guerra após ataque de Eduardo Leite a Doria
Política

PSDB entra em pé de guerra após ataque de Eduardo Leite a Doria

Ex-ministro do TST, Ronaldo Lopes Leal é sepultado em Porto Alegre
Luto

Ex-ministro do TST, Ronaldo Lopes Leal é sepultado em Porto Alegre