Ex-ministros da Educação lançam documento contra cortes e perseguição ideológica

No encontro, os ex-ministros defenderam o que chamaram de consenso sobre políticas públicas de educação

O ex-ministro Fernando Haddad, estava presente no encontroO ex-ministro Fernando Haddad, estava presente no encontro - Foto: Reprodução/ Instagram

Seis ex-ministros da educação se reuniram na manhã desta terça-feira (4) na USP para manifestar preocupação com as políticas voltadas para educação do governo de Jair Bolsonaro. O grupo entregou um documento em que defende a liberdade de cátedra, autonomia acadêmica e se coloca contrário a "perseguição ideológica" e aos cortes da pasta.

"Contingenciamentos ocorrem, mas em áreas como educação e saúde, na magnitude que estão sendo apresentados, podem ter efeitos irreversíveis e até fatais. (...) Cortar recursos da educação básica e do ensino superior, no volume anunciado, deixará feridas que demorarão a ser curadas", diz a nota.

Estiveram presentes os ex-ministros José Goldemberg (governo Collor), Murílio Hingel (Itamar Franco), Cristovam Buarque (Lula), Fernando Haddad (Lula e Dilma) e Aloizio Mercadante (Dilma). Renato Janini, também ex-ministro de Dilma, organizou o encontro, realizado no Instituto de Estudos Avançados da USP. Outros ex-ministros foram convidados mas não responderam ou não puderam comparecer.

Leia também:
Com guarda-chuva, ministro da Educação nega bloqueio de verbas do Museu Nacional; veja vídeo
Corte na educação causa demissões em Pernambuco

Para os seis ex-ministros presentes, a educação deixou de ser vista como uma promessa. "Vemos que, no atual governo, ela é apresentada como ameaça". Segundo a nota, é preciso respeitar a profissão docente, "que não pode ser submetida a nenhuma perseguição ideológica". "Convidar os alunos a filmarem os professores, para puni-los, é uma medida que apenas piora a educação, submetendo-a a uma censura inaceitável", afirmaram, no documento.

No encontro, os ex-ministros defenderam o que chamaram de consenso sobre políticas públicas de educação, que seriam de Estado, não sujeitas a governos. Afirmam que a educação depende da continuidade dessas medidas já pactuadas entre atores de diferentes partidos e governos, nas esferas municipais, estaduais e federais.

Os ex-ministros concordaram que a educação básica pública deve ser a prioridade nacional. Pedem renovação e ampliação do Fundeb, o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, que expira em 2020. "Sem ele, a situação do ensino nos municípios e estados mais pobres, que já é inadequada, se tornará desesperadora", diz a nota.

Além do documento, os ex-ministros dizem que vão constituir um observatório da educação, para dialogar com a sociedade sobre os desafios da educação.

Veja também

Popularidade de Bolsonaro cai em plena segunda onda da pandemia no Brasil
Política

Popularidade de Bolsonaro cai em plena segunda onda da pandemia no Brasil

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife
BLOG DA FOLHA

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife