Ex-secretário da Casa Civil do Rio, Régis Fichtner é preso pela PF

Ele é acusado de receber propinas no valor de R$ 1,5 milhão enquanto estava no comando da Casa Civil

Régis Fichtner, ex-secretário da Casa Civil no Governo CabralRégis Fichtner, ex-secretário da Casa Civil no Governo Cabral - Foto: Reprodução/Internet

Policiais federais prenderam nesta sexta (15) o ex-secretário estadual da Casa Civil Régis Fichtner, que chefiou a pasta durante a gestão de Sérgio Cabral. Ele é acusado de receber propinas no valor de R$ 1,5 milhão enquanto estava no comando da Casa Civil, de 2007 a 2014.

Também foi preso o coronel da Polícia Militar Fernando França Martins – acusado de fazer operações financeiras para o ex-secretário. Fichter já havia sido preso em novembro de 2017, durante a Operação C’Est Fini, mas foi solto.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), a nova prisão preventiva foi motivada pelo fato de que, segundo os procuradores da República que integram a força-tarefa da Operação Lava Jato no Rio, Fichtner ainda tem patrimônio ocultado e há indícios de sua atuação para destruir provas.

Leia também:
Família do ex-governador tucano Beto Richa vira ré na Lava Jato
Pertence ao meu passado, diz Moro sobre 2ª condenação de Lula na Lava Jato
Fim de foro para derrotados nas eleições abre caminho à Lava Jato, diz procurador


Ainda de acordo com o MPF, Fichtner era figura central na área administrativa da organização criminosa, supostamente chefiada por Cabral. Os procuradores afirmam que, como chefe da Casa Civil, ele era o responsável por articular os atos de governo mais importantes, “usando de sua habilidade jurídica para buscar saídas minimamente defensáveis”.

A partir dessa posição, ele pode ter feito diversas manobras em favor dos demais membros da organização criminosos, afirma o MPF.

As investigações apontaram ainda que o coronel Fernando França Martins é o responsável por recolher parte da propina recebida pelo ex-secretário. Em informações bancárias, entre 2014 e 2016, houve transferência na ordem de R$ 725 mil do ex-secretário ao coronel. Ainda de acordo com o MPF, Fichtner

Veja também

Maia vê Baleia à frente de Lira, mas admite traição de um terço do seu partido na eleição da Câmara
Congresso

Maia vê Baleia à frente de Lira, mas admite traição de um terço do seu partido na eleição da Câmara

Doria chama Bolsonaro de oportunista por surfar a Coronavac
Vacina

Doria chama Bolsonaro de oportunista por surfar a Coronavac