Exame mostra redução de coágulo no coração de Bruno Covas

O prefeito foi diagnosticado com adenocarcinoma, um tipo de câncer na região do cárdia, na transição do esôfago para o estômago, além de uma metástase no fígado e uma lesão nos linfonodos

Prefeito de São Paulo, Bruno CovasPrefeito de São Paulo, Bruno Covas - Foto: Governo São Paulo

Um ecocardiograma realizado nessa sexta-feira (8) pelo prefeito de São Paulo, Bruno Covas, mostrou que o coágulo, detectado no átrio direito de seu coração na segunda-feira (4) , reduziu de tamanho. De acordo com boletim médico divulgado pelo Hospital Sírio-Libanês, onde está internado, Covas continuará sendo medicado com anticoagulante.

“O quadro de saúde do prefeito Bruno Covas mantém-se estável e o paciente continua sendo medicado com anticoagulante. Ecocardiograma realizado hoje mostrou uma redução do trombo do átrio direito”, diz texto do boletim. No início da próxima semana, o prefeito passará por uma reavaliação médica antes do início da segunda sessão de quimioterapia.

Leia também:
Equipe médica adia alta de Bruno Covas por causa de coágulo
'Não tenho energia para trabalhar 14, 15 horas por dia, mas 8, 9 dá', brinca Bruno Covas ao falar de doença
Quadro de saúde de Bruno Covas é estável, segundo boletim médico


No dia 30, Covas terminou a primeira sessão de quimioterapia. O tratamento teve início no dia anterior e durou cerca de 30 horas ininterruptas. No total, serão três sessões de quimioterapia. Após isso, ele será novamente avaliado pelos médicos quanto ao prosseguimento do tratamento. O prefeito foi diagnosticado com adenocarcinoma, um tipo de câncer na região do cárdia, na transição do esôfago para o estômago, além de uma metástase no fígado e uma lesão nos linfonodos.

Veja também

Senado aprova recriação do Ministério das Comunicações
comunicações

Senado aprova recriação do Ministério das Comunicações

Investigado, Flávio tenta aproximar Bolsonaro de juiz evangélico por vaga no STF
Supremo

Investigado, Flávio tenta aproximar Bolsonaro de juiz evangélico por vaga no STF