eleições

Facebook exclui 140 mil conteúdos durante a campanha eleitoral no primeiro turno

O Facebook também diz ter rejeitado cerca de 250 mil vezes a submissão de publicações pagas sobre política ou eleições que não continham o rótulo "Propaganda Eleitoral"

FacebookFacebook - Foto: Pixabay

O Facebook divulgou nesta segunda-feira (23) que removeu mais de 140 mil conteúdos que violaram as regras da empresa sobre "interferência eleitoral" durante a campanha no primeiro turno no Brasil. Os posts foram deletados na rede social e no Instagram.

As publicações excluídas continham informações que tentavam influenciar o rito eleitoral, como tentativas de supressão de votos, informações erradas sobre horários de votação e de abertura das urnas. Nestas eleições, as grandes empresas de tecnologia concentraram esforços para banir a desinformação relativa especialmente às regras eleitorais, priorizando informações oficiais do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O Facebook também diz ter rejeitado cerca de 250 mil vezes a submissão de publicações pagas sobre política ou eleições que não continham o rótulo "Propaganda Eleitoral" ou "Pago por". A empresa exige um processo de autorização em que o anunciante precisa confirmar sua identidade e residência no Brasil para realizar um impulsionamento, como é chamada a publicação paga na rede social.

A empresa também aplicou filtros em conteúdos verificados como falsos por agências de checagens ou avisos sugerindo a usuários que lessem o contexto da publicação. Figuras públicas que compartilharam informações do tipo, como a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) e a ex-deputada federal Cristiane Brasil (PTB), tiveram posts marcados com um alerta.

O Facebook não divulga quantas pessoas públicas foram rotuladas na rede social e no Instagram durante o período eleitoral. Publicações de candidatos não passam por agências de checagens.

No Twitter, uma série de parlamentares e figuras políticas tiveram publicações acompanhadas de uma frase que dizia "essa reivindicação de fraude é contestada". No geral, eles compartilharam informações que sugeriam fraude nas eleições municipais diante do hacking sofrido pelo TSE e pela lentidão da apuração dos votos.

Além de Bia Kicis e Cristiane Brasil, também foram rotulados posts de Oswaldo Eustáquio, preso pela PF na semana passada por descumprir ordem do STF (Supremo Tribunal Federal), do deputado Filipe Barros (PSL-PR) e de Joice Hasselmann, ex-candidata à Prefeitura de São Paulo.

Veja também

Discussão sobre novo imposto não faz parte do contexto atual, diz Lira
Política

Discussão sobre novo imposto não faz parte do contexto atual, diz Lira

Para Mourão, 'ruído' sobre vacinação e crise em Manaus derrubou popularidade de Bolsonaro
Crise

Para Mourão, 'ruído' sobre vacinação e crise em Manaus derrubou popularidade de Bolsonaro