Fachin atende JBS e abre procedimento no STF para avaliar rescisão de delação

Na decisão, o ministro dá prazo de cinco dias para que a PGR e a defesa dos Batista apontem testemunhas e provas que pretendem levantar no caso

Ministro Edson FachinMinistro Edson Fachin - Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O ministro Edson Fachin, do STF, decidiu atender a um pedido da defesa da JBS e determinou a abertura de um procedimento no STF para avaliar argumentos da acusação e dos advogados de Joesley Batista antes de fechar seu voto sobre a rescisão da delação. Ele também definiu que o pedido de cancelamento da colaboração será avaliado pelo plenário da corte.

Na decisão, o ministro dá prazo de cinco dias para que a PGR e a defesa dos Batista apontem testemunhas e provas que pretendem levantar no caso. Fachin indicou juízes que trabalham em seu gabinete para acompanharem a instrução. "As graves circunstâncias narradas devem ser apreciadas e definidas por este tribunal, impondo sem delongas as sanções e chancela das responsabilidades, se cabíveis", escreveu o ministro.

A PGR pediu a rescisão da delação da JBS com base na acusação de que o ex-procurador Marcello Miller ajudou os empresários a formularem a colaboração e de que os empresários teriam omitido isso, traindo a confiança do Ministério Público. Miller é hoje alvo de denúncia por corrupção. André Callegari, advogado da JBS, argumenta que a rescisão é medida desproporcional e que seus clientes têm se mantido à disposição para esclarecimentos e para a complementação de informações. O pedido para que Fachin abrisse procedimento no STF para apurar as circunstâncias da delação foi noticiado pelo Painel na terça-feira (26).

Veja também

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid
Coronavírus

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid

Bolsonaro multiplica palcos para radicalismo e busca popularidade
Política

Bolsonaro multiplica palcos para radicalismo e busca popularidade