Fachin manda afastar Aécio mas nega pedido de prisão da PGR

PF faz buscas na casa de Aécio Neves, da irmã dele e do braço direito de Cunha

Apartamento do senador Aécio Neves é alvo de busca e apreensão em Ipanema, no Rio de JaneiroApartamento do senador Aécio Neves é alvo de busca e apreensão em Ipanema, no Rio de Janeiro - Foto: Alessandro Buzas/Futura Press/Folhapress

O afastamento de Aécio Neves, senador por Minas Gerais e presidente do PSDB, foi ordenado, na manhã desta quinta-feira (18), pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). Fachin negou o pedido de prisão de Aécio feito pela Procuradoria Geral da República (PGR) e vai submeter ao plenário do Supremo o pedido. Na quarta, denúncias foram feitas de que Aécio foi gravado pedindo R$ 2 milhões à JBS.

A Polícia Federal e do Ministério Público Federal realizam, nesta manhã, mandados de busca e apreensão na casa de Aécio Neves.  Há também um mandado de prisão preventiva contra Andrea Neves, irmã do senador, e contra o procurador da República Ângelo Goulart Vilela, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Também são alvos da operação o senador Zezé Perrella (PMDB-MG), o deputado Rocha Loures (PMDB-PR) e Altair Alves, conhecido por ser braço direito do deputado Eduardo Cunha. Buscas também são feitas na casa do coronel João Baptista Lima Filho, ligado a Temer.

Os cerca de 40 mandados foram autorizados pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Entre os locais de busca, segundo investigadores, estão a residência de Aécio no Rio e em Brasília, de Andrea, no Rio, e o Congresso. Há pelo menos um mandado de prisão.

Entenda a situação
O presidente Michel Temer foi gravado por um dos donos do grupo J&F, proprietário da marca JBS, falando sobre a compra do silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Temer teria indicado para resolver a questão o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), que posteriormente foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados por Joesley Batista.

Executivos do grupo J&F afirmam que o senador Aécio Neves foi gravado pedindo R$ 2 milhões a um dos donos da empresa, Joesley Batista, para pagar sua defesa na Operação Lava Jato.

Segundo os executivos da JBS, a quantia foi entregue a um primo do tucano, em ação filmada pela PF. A gravação que supostamente compromete o senador Aécio Neves tem 30 minutos e foi entregue à Procuradoria-Geral da República (PGR). Deve integrar acordo de delação premiada, que aguarda homologação do ministro do Supremo Edson Fachin. O dinheiro teria sido depositado em uma empresa do também senador tucano Zeze Perrella.

A JBS esteve na mira de investigações da Polícia Federal em diferentes frentes desde 2016. Na sexta-feira (12), a PF deflagrou operação sobre supostas irregularidades na concessão de empréstimos do BNDES. O juiz responsável, Ricardo Leite, de Brasília, negou um pedido de prisão contra os donos da empresa. Em janeiro, uma operação mirou o grupo ao apurar suspeitas de concessão de créditos pela Caixa Econômica.

Na noite de quarta (17), quando as acusações vieram à tona, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), um dos acusados pela JBS, deixou o plenário do Senado pela lateral, sem comentar as acusações.

Leia mais:
Gravação mostra Aécio pedindo R$ 2 milhões à JBS, diz jornal
Áudio revela Temer dando aval a compra do silêncio de Cunha, diz jornal
PF faz buscas na casa de Aécio Neves, da irmã dele e do braço direito de Cunha
Deputados de oposição entram com pedidos de impeachment contra Temer
Em caso de afastamento de Michel Temer, presidente da Câmara assume
Ex-ministro Guido Mantega era contato com o PT, diz dono da JBS

Veja também

Candidato de Bolsonaro na Câmara, Lira deve ser recebido por Covas em SP
Política

Candidato de Bolsonaro na Câmara, Lira deve ser recebido por Covas em SP

Pazuello faz reunião com embaixador da China para discutir crise das vacinas
Vacinas

Pazuello faz reunião com embaixador da China