Fachin nega mais um habeas corpus para libertar Lula

A defesa de Lula alegou que supostas mensagens divulgadas pelo site The Intecept Brasil e por outros órgãos de imprensa confirmam que os procuradores atuaram ilegalmente para acusar Lula

Ministro Edson Fachin Ministro Edson Fachin  - Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin negou nesta quinta-feira (29) mais um pedido feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para reconhecer a suspeição dos procuradores da Operação Lava Jato e determinar a soltura do ex-presidente.

No habeas corpus protocolado em 12 de agosto, a defesa de Lula alegou que supostas mensagens divulgadas pelo site The Intecept Brasil e por outros órgãos de imprensa confirmam que os procuradores atuaram ilegalmente para acusar Lula.

Leia também:
Fachin vota por abrir ação penal contra ministro do TCU e afastá-lo do cargo
Fachin: combate à corrupção deve respeitar limites constitucionais
'Juízes também cometem ilícitos e devem ser punidos', diz ministro Fachin, do STF


Segundo Fachin, a soltura foi rejeitada pela Segunda Turma da Corte, em junho, e a questão deve ser decidida definitivamente, no mérito.

"Sendo assim, prima facie, sem prejuízo de ulterior reapreciação da matéria no julgamento final do presente habeas corpus, indefiro a liminar. Por tais razões, deixo de acolher o pedido de produção de provas.", decidiu.

Desde abril do ano passado, Lula cumpre provisoriamente, na Superintendência da Polícia Federal no Paraná, pena de oito anos, 10 meses e 20 dias por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá (SP).

Veja também

Em SC deputados abrem processo de impeachment contra governador e vice
Política

Em SC deputados abrem processo de impeachment contra governador e vice

Lei de proteção de dados entra em vigor nesta sexta-feira
Dados

Lei de proteção de dados entra em vigor nesta sexta-feira