Política

Favoritismo de Tadeu Alencar não vingou

A deputada Tereza Cristina (PSB-MT) venceu a disputa com 22 votos contra 14 do parlamentar pernambucano

Candidata de Temer tirou liderança do PSB de TadeuCandidata de Temer tirou liderança do PSB de Tadeu - Foto: Arthur Mota /Arquivo Folha

 

O favoritismo do deputado federal Tadeu Alencar (PSB) não se concretizou na eleição para novo líder da bancada do PSB. A deputada Tereza Cristina (PSB-MT) venceu a disputa com 22 votos contra 14 do parlamentar pernambucano. Nos bastidores, a pressão do ministro de Minas e Energia, Fernando Filho (PSB), teria influenciado na votação, que tendia a ser acirrada, mas acabou dando vitória larga a mato-grossense.

Vice-líder do Governo Temer na Câmara Federal, a posição da parlamentar mais alinhada ao governo pesou diante da independência pregada por Alencar. Nos bastidores, a influência e atuação de Fernando Filho causou incômodo da ala mais independente da sigla.

Informações de bastidores dão conta de que o ministro teria se envolvido na disputa, ligando para deputados, governadores e aliados pressionando a favor de Cristina. Até as últimas horas, os deputados tentaram chegar em vão a um consenso e o bate-chapa acabou ocorrendo. Em seu discurso, Tadeu chegou a defender que não queria ser líder se a bancada fosse, automaticamente, ligada ao Governo e defendeu a independência.

"Não foi o resultado que gostaríamos, mas vamos tocar a vida e continuar defendendo a independência", disse Alencar, que tinha apoio velado do presidente do PSB, Carlos Siqueira, e do governador Paulo Câmara. O secretário de Turismo, Felipe Carreras, chegou a reforçar a candidatura de Alencar ao pedir exoneração para voltar à Câmara.

Tadeu Alencar acabou sofrendo com o récuo de deputados que tinham declarado apoio ao seu nome, mas que acabaram votando em Tereza. João Fernando Coutinho teria sido um dos nomes que não votou nele, mesmo a bancada pernambucana tendo fechado com Alencar.

Procurado,afirmou que defendeu o consenso até o último minuto na bancada, mas preferiu não revelar o voto. "O voto é secreto, prefiro reservar esse meu direito até porque tenho pretensões na Casa. Tanto Tadeu quanto Cristina sabem qual foi o meu voto", disse. Em reserva, outro parlamentar foi na posição contrária. “A interferência excessiva do governo pode acabar afetando a relação do presidente com a bancada do PSB. Temer poderia ter o apoio dos 34, mas vai acabar ficando só os 22”.

 

Veja também

Sergio Moro afirma ser "provável" se lançar ao Senado em São Paulo
Eleições

Moro afirma ser 'provável' se lançar ao Senado em São Paulo

Projetos sobre combustíveis devem tramitar rápido no Senado
Combustíveis

Projetos sobre combustíveis devem tramitar rápido no Senado