Feplana reafirma apoio à ministra Tereza Cristina

A Federação dos Plantadores de Cana do Brasil aponta a titular do Ministério da Agricultura como essencial para o setor neste momento de pandemia

Ministra da Agricultura Tereza Cristina Ministra da Agricultura Tereza Cristina  - Foto: Rqavena Rosa/ Agência Brasil

Assim que seu nome foi anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro para o comando do Ministério da Agricultura, Tereza Cristina (DEM) encontrou imediato apoio do agronegócio brasileiro. Depois de pouco mais de um ano de gestão, seu trabalho é bem avaliado por entidades ligadas ao setor e sua permanência no cargo é vista como essencial para a superação da atual crise causada pela pandemia do Covid-19.

Em texto divulgado à Imprensa, a Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana) afirma que a ministra reúne “as melhores condições de lidar com os desafios colocados frente ao coronavírus”. Formado por 360 usinas e engenhos de 70 mil produtores de cana-de-açúcar em 1,2 mil municípios, o setor sucroenergético enfrenta um cenário pandêmico e alta queda no petróleo, com impacto sobre o etanol, açúcar e a cana.

Segundo Renato Cunha, presidente do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool do Estado de Pernambuco (Sindaçúcar-PE) e presidente executivo da Associação de Produtores de Açúcar, Etanol e Bioenergia (NovaBio), a queda na demanda por etanol vem afetando a cadeia produtiva em todo o País. “Nós temos a necessidade de vender nossos estoques remanescentes da safra passada e precisamos nos preparar para haver normalidade mercadológica para a safra 2020/2021”, pondera.

Leia também:
Tereza Cristina defende aprovação da MP da Regularização Fundiária
Brasil é potência em agronegócio e meio ambiente, diz Tereza Cristina


Tereza Cristina, ainda de acordo com Renato Cunha, vem desempenhando um importante papel na tentativa de atenuar os impactos negativos da pandemia no setor. “Ela tem se dedicado a criar instrumentos para uma melhoria de competitividade entre o etanol e a gasolina, além de proporcionar linhas de crédito para estocagem dos nossos produtos finais, nesta fase atual de erosão passageira da demanda”, comenta.

O trabalho da ministra encontra respaldo entre representantes da indústria da cana-de-açúcar. “É uma ministra construtiva, que atua de forma agregadora e luta por um equilíbrio das cadeias integrantes do agronegócio”, defende Renato Cunha, que ressalta o fato de que a trajetória da gestora sempre esteve ligada ao setor. “Ela já foi secretária no estado do Mato Grosso do Sul e, como deputada federal, foi presidente da Frente Parlamentar Agropecuária. É uma pessoa que trabalha baseada numa experiência prática que já possuía antes de assumir o ministério”, afirma.

Veja também

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara
STF

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação
Pandemia

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação