FHC: é cedo para escolha sobre 2018

Segundo ele, o País possui uma dinâmica que vai além do contexto de São Paulo

Ex-presidente Fernando Henrique CardosoEx-presidente Fernando Henrique Cardoso - Foto: Divulgação / Instituto FHC

Diante da disputa velada entre o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito da capital paulista João Doria (PSDB) visando as eleições de 2018, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) mandou um recado para os correligionários. Evitando tomar partido, o líder tucano afirmou que defenderá o candidato que "conseguir falar com o Brasil" e não só com São Paulo. Segundo ele, o País possui uma dinâmica que vai além do contexto de São Paulo.

"Qual dos dois? Vou ver o que vai acontecer com a sociedade. Para um paulista é muito difícil ser nacional, porque São Paulo tem especificidades. O candidato tem que falar com o Brasil, não adianta ser só a sua turma. Tem que expressar a contemporaneidade e ser ético. Os partidos vão procurar quem tem mais possibilidade de ganhar", pondero o ex-presidente, após encontro com empresários em almoço na Associação Comercial do Rio de Janeiro, ontem.

Durante a sabatina da classe empresarial, o ex-presidente abordou a crise vivida pelos partidos políticos brasileiros e revelou que o PSDB não está imune ao cenário de descredito partidário. Contudo, ele evitou fazer uma avaliação fatalista e avaliou que os mesmos partidos serão testados no próximo pleito. "O PSDB tem possibilidades. É preciso ver que ideias o PSDB vai ter e que pessoas vão incorporar isso. Se eu puder ajudar, ajudo. Vou pensar primeiro no Brasil”, disse.

Fernando Henrique Cardoso foi recebido com grande entusiasmo pelas lideranças empresariais e chegou a ser saudado como “símbolo do Brasil que deu certo”.

Veja também

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país
Impeachment

Com apoio da oposição, manifestantes fazem carreatas por impeachment pelo país

Carreata no Recife pede impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos
BLOG DA FOLHA

Carreata no Recife pede impeachment de Bolsonaro e vacinação para todos