FHC lamenta morte de ex-presidente do Peru investigado na Lava Jato

García, 69, era acusado de envolvimento no escândalo da empreiteira brasileira Odebrecht

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB)Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) - Foto: Wikimedia Commons

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmou que Alan García "não resistiu à maré corruptora" e classificou o ex-presidente do Peru, que se suicidou na quarta-feira (17), como populista.

García, 69, era acusado de envolvimento no escândalo da empreiteira brasileira Odebrecht, que declarou ao Departamento de Justiça americano ter pago US$ 29 milhões em propinas e caixa 2 no Peru.

FHC relembrou que García foi seu aluno quando lecionava na França.

Leia também:
'Se Moro combater a corrupção ajudará o país', diz Fernando Henrique
Suicídio de Alan García tem paralelos com o de Getúlio, diz analista britânico


"Ou restabelecemos a simplicidade no viver e o respeito à lei ao governar, ou há risco de ditadores enganarem o povo com discursos morais enganosos" escreveu ele em uma rede social nesta quinta-feira.

O corpo de García, que foi presidente de 1985 a 1990, e de 2006 a 2011, está sendo velado nesta quinta na sede de seu partido, o Aliança Popular Revolucionária Americana (Apra).

O ex-presidente morreu na quarta-feira (16) em um hospital de Lima após dar um tiro contra a cabeça quando a polícia judiciária anunciou uma ordem por sua prisão por 10 dias por um caso de suposta lavagem de ativos ligado à empreiteira brasileira Odebrecht.

A arma usada tinha sido um presente da Marinha de Guerra peruana durante seu mandato.

O governo decretou três dias de luto nacional, de 17 a 19 de abril, mas a família rejeitou qualquer homenagem.

O partido atribui o suicídio de García a uma perseguição de setores da imprensa e da promotoria responsável pelas investigações.

Veja também

Base de Bolsonaro evita apoio já à reeleição e cogita migrar para Lula
Corrida eleitoral

Base de Bolsonaro evita apoio já à reeleição e cogita migrar para Lula

Bolsonaro decreta luto oficial de três dias por morte de Marco Maciel
Despedida

Bolsonaro decreta luto oficial de três dias por morte de Marco Maciel