Filho de Edison Lobão é preso em ação da Lava Jato sobre Petrobras e Belo Monte

O MPF (Ministério Público Federal) aponta que Edison recebeu ao menos R$ 50 milhões dos grupos Estre e Odebrecht entre 2008 e 2014

Márcio Lobão, filho do ex-ministro e ex-senador Edison LobãoMárcio Lobão, filho do ex-ministro e ex-senador Edison Lobão - Foto: Divulgação / Brasilcap

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (10) a 65ª fase da Lava Jato, com mandado de prisão preventiva -sem prazo- contra Márcio Lobão, filho do ex-ministro e ex-senador Edison Lobão. Ele será conduzido para Curitiba. O MPF (Ministério Público Federal) aponta que Edison recebeu ao menos R$ 50 milhões dos grupos Estre e Odebrecht entre 2008 e 2014. O esquema de corrupção e lavagem de dinheiro seria ligado à Transpetro, subsidiária da Petrobras, e à usina hidrelétrica de Belo Monte.

Segundo apurado nas investigações, os atos de lavagem se estendem até 2019.
Edison teria contado com a ajuda do filho para coletar a propina e lavar os recursos do esquema. O dinheiro teria sido entregue em espécie em um escritório de advocacia no Rio de Janeiro ligado à família Lobão.

Segundo a PF, Márcio recebeu R$ 10 milhões das empresas por intermédio de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro. Um irmão do ex-senador também teria ajudado a lavar o dinheiro do esquema.

Leia também:
Após decisão de Gilmar, juiz da Lava Jato solta cunhado de Marcelo Odebrecht
Indicado à PGR, Aras deve fazer ressalvas à Lava Jato e abordar economia a senadores
Força-tarefa da Lava Jato denuncia Lula e irmão sob acusação de corrupção em SP

Para lavar o dinheiro da propina, Márcio teria comprado e depois vendido obras de arte por valores abaixo da média. Também teria simulado outras operações, como venda de imóvel, empréstimo com familiar, interposição de terceiros em operações de compra e venda de obra de arte.

Além disso, ele fazia depósitos fracionados em espécie e movimentava valores em contas abertas em nome de empresas offshore no exterior, segundo as investigações. As transações apontam para um incremento de patrimônio de cerca de R$ 30 milhões.

As provas que indicam esses pagamentos, segundo o MPF, são depoimentos de colaboradores, registros no sistema de controle de propina da Odebrecht e evidências que apontam para ligações e reuniões entre os investigados.

As operações motivaram buscas e apreensões em endereços de galeria de arte e de agentes financeiros que geriam contas de Márcio Lobão no exterior, como no banco suíço Julius Bär. Ao todo, são 11 mandados. O nome da operação -Galeria- remete às transações com obras de arte que teriam sido utilizadas como forma de dar aparência lícita aos valores obtidos ilegalmente.

Veja também

TCU promove fórum sobre inovação na educação
Educação

TCU promove fórum sobre inovação na educação

Processo disciplinar contra Oscar Barreto racha PT
Blog da Folha

Processo disciplinar contra Oscar Barreto racha PT