'Foi uma rajada de um segundo', diz sobrevivente de atentado a Marielle

Em entrevista ao programa "Fantástico", da TV Globo, ela disse estar "apavorada" e "despedaçada"

Assessora de Marielle Franco em entrevista ao Fantástico, da TV GloboAssessora de Marielle Franco em entrevista ao Fantástico, da TV Globo - Foto: Reprodução/TV Globo

Única sobrevivente do ataque ao carro de Marielle Franco (PSOL) na última quarta (14), uma assessora da vereadora deixou o estado do Rio para se proteger. Por motivos de segurança, seu destino não foi informado.

Em entrevista ao programa "Fantástico", da TV Globo, ela disse estar "apavorada" e "despedaçada". "Como não ter medo? Que audácia. Como matar de uma forma covarde uma mulher?", disse ela, que estava ao lado de Marielle no banco traseiro quando o crime ocorreu.

Leia também:
Vereadora do PSOL é executada dentro de carro no centro do Rio
Assassinato de Marielle Franco desperta onda de fake news


Marielle foi atingida por quatro tiros. O motorista Anderson Gomes, por outros três. A assessora disse que não percebeu que o ataque era direcionado ao veículo em que estava. Inicialmente, pensou estar no meio de uma troca de tiros. "Foi apenas uma rajada de um segundo", contou. Ao todo, 13 tiros foram disparados. Marielle soltou uma interjeição antes do tiroteio e depois caiu sobre a assessora. Anderson falou apenas "ai".

A sobrevivente conseguiu colocar o veículo em ponto morto e puxar o freio de mão. Deixou o carro agachada, achando ainda se tratar de um tiroteio. Ela contou que demorou a saber que Marielle e Anderson haviam morrido "Só [percebi] quando a polícia chegou, falando de dois mortos e uma sobrevivente", disse.

Em uma mensagem de celular, chegou a dizer que estava bem, mas que Marielle estava desmaiada e Anderson também. A vereadora não costumava andar no banco de trás do veículo, disse a assessora, mas naquele dia as duas aproveitavam a viagem para ver fotos no celular. Os criminosos sabiam de sua posição no veículo, pois seguiram o carro desde o último compromisso do grupo, na Lapa, região central do Rio.

Também ao "Fantástico", a companheira de Marielle, Mônica Benício, disse que recebeu uma mensagem da vereadora após o encontro perguntando se precisava de algo da rua.

Morando juntas há um ano e meio e com quase 13 anos de relacionamento, as duas planejavam se casar em 2019. Ela disse que Marielle não havia relatado ameças ou riscos à sua segurança. "Ela estava feliz, estava preocupada planejando o casamento para o ano que vem."

"Só tinha uma maneira de calar minha filha e é o que fizeram com ela", disse o pai de Marielle, Antônio Franco. A família reagiu à divulgação de notícias falsas em redes sociais ligando Marielle ao tráfico de drogas. "Chamar minha filha de bandida é inadmissível", afirmou sua mãe, Marinete Franco.

Veja também

Nem eu nem o PSL sairemos menores da eleição, diz Joice Hasselmann
Eleições 2020

Nem eu nem o PSL sairemos menores da eleição, diz Joice

Fux edita resolução que cria o Inova STF
STF

Fux edita resolução que cria o Inova STF