Fórmula já empregada por Roberto Jefferson

O ex-deputado criticava o “poder concursado”, aquele que não vem pelo voto

O show surpresa de Anitta no Cais do Porto O show surpresa de Anitta no Cais do Porto  - Foto: Arthur de Souza

Em setembro de 2009, o ex-deputado Roberto Jefferson, pivô do escândalo do mensalão, publicara carta para se defender de denúncia do Ministério Público Federal, segundo a qual teria participado de esquema de propina. Ao se defender, tachou o MPF de “aberração institucional” e “monstro andrógino”. Declarou que sempre foi “adversário dos privilégios do Ministério Público” e apontou, na denúncia, “um texto de contradições, ilações, presunções”. A tática de descredenciar o trabalho dos procuradores do MPF guarda alguma semelhança com a que foi adotada, na quinta-feira, pelo ex-presidente Lula. Procurador Geral do Ministério Público de Contas do Estado, Cristiano Pimentel vê Lula “retomando uma ideia que o Roberto Jefferson tinha, quando ainda estava réu no mensalão, antes de ser preso”. Sublinha o seguinte: “Roberto Jefferson cunhou uma expressão chamada poder concursado”. E explica o significado: “Dizia que o Ministério Público e a magistratura viviam querendo ter poder sem ter a legitimidade o voto”. Na quinta-feira, em seu pronunciamento, ao se defender da denúncia do Ministério Público, em meio aos ataques desferidos à força-tarefa da Lava Jato, Lula disparou: “A posição mais honesta é a do político, sabe por quê? Por que todo ano, por mais ladrão que ele seja, ele tem que ir pra rua encarar o povo e pedir voto. O concursado não. Se forma na universidade, faz um concurso e tá com um emprego garantido para o resto da vida”. Comparando com Roberto Jefferson, Lula foi além, atingiu não só procuradores e juízes, mas botou os servidores públicos todos em um balaio só.

Concurso público
“Foi um excesso de linguagem, porque o funcionalismo público sempre foi eleitorado do PT. Não é boa hora de ele brigar com essa parte importantíssma do eleitorado dele”. A avaliação é do procurador do MPCO, Cristiando Pimentel.

Carta na manga > Políticos apontaram adjetivação excessiva, juristas viram espetacularização e fragilidade de provas. O procurador Cristiano Pimentel reconhece que a atitude dos procuradores do Ministério Público Federal, ao apresentarem a denúncia contra Lula, na última quarta, foi incomum. No entanto, vê, nisso, “uma estratégia”. E defende: “Eles (os procuradores) estão pensando à frente”.

Passos à frente > Cristiano realça que “o que vem a público é uma parte mínima do que acontece nos bastidores da Lava Jato”. Nas palavras dele, “esta nova forma de coletiva, exposta pelos procuradores, pode ser parte de uma estratégia da força-tarefa”. E insiste: “Eles sempre trabalham pensando cinco passos à frente”.

Por exemplo > O procurador do MPCO argumenta que as prisões de José Dirceu e Marcelo Odebrecht renderam também muitas as críticas em relação a suposta fragilidade de argumentos. “Mas os dois perderam todos os habeas corpus e não têm mais perspectiva de serem soltos, salvo em uma delação premiada”.

À prestação > Quanto a Lula, prossegue Cristiano Pimentel, “devemos lembrar que há várias delações premiadas a caminho, inclusive de seu amigo (José Carlos Bumlai), que podem fazer toda a diferença sobre a solidez ou não da denúncia de quarta”.

Por partes > “O MP não é obrigado a apresentar todas as provas que tem quando propõe a ação penal. Ainda está longe a fase processual de produção de provas deste processo, apesar das notas de rodapé da denúncia já mencionarem mais de 300 provas”, conclui Cristiano Pimentel.

Veja também

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida
Saúde

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida

YouTube bloqueia vídeo de campanha de Russomanno por desrespeitar direitos autorais da Fifa
SÃO PAULO

YouTube bloqueia vídeo de Russomanno com imagens da Fifa