OEA

Funcionários da OEA repudiam postagem 'racista e homofóbica' de Arthur Weintraub

Postagem de Arthur Weintraub, irmão do ex-ministro Abraham Weintraub e ex-assessor especial da Presidência, é secretário de Segurança Multidimensional do órgão

Arthur Weintraub deixou o governo para assumir cargo na OEAArthur Weintraub deixou o governo para assumir cargo na OEA - Foto: Walter Campanato / Agência Brasil

O Comitê de Funcionários da OEA (Organização dos Estados Americanos) repudiou internamente, nesta quinta-feira (24), uma postagem de Arthur Weintraub, irmão do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub e ex-assessor especial da Presidência da República, que classificou como "racista, homofóbica e vulgar".

Arthur, que assumiu na última semana o cargo de secretário de Segurança Multidimensional do órgão, escreveu nesta quinta que, após um "latino" lhe dizer que teríamos que nos adaptar ao chamado novo normal, respondeu: "Meus ovos na garganta de quem tiver inventado isso".

"Consideramos que a mensagem é racista, homofóbica e vulgar e está completamente fora de linha com os objetivos da Secretaria-Geral da OEA", diz a nota interna noticiada primeiro pelo jornal O Globo e à qual a reportagem teve acesso.

"Acreditamos que esta mensagem atrai uma atenção negativa não desejada para a organização e deprecia o nosso trabalho como servidores públicos internacionais para promover a democracia, os direitos humanos, a segurança e o desenvolvimento integral no hemisfério", continua.

A nota também menciona a Regra 101.4, para funcionários, que proíbe explicitamente as declarações públicas à imprensa e outros meios de informação pública que fujam de suas atribuições. Por fim, o comitê afirma que comunicou sua preocupação diretamente ao secretário-geral, Luis Almagro.


Na gestão do uruguaio, forte crítico do chavismo, a OEA deixou de ser um organismo facilitador do diálogo pelo fim de crises institucionais e pró-defesa de direitos humanos para ganhar contorno de instituição política, que adota uma linha clara de defesa da direita na América Latina.

A ida de Arthur Weintraub para o órgão e a polêmica retirada do brasileiro Paulo Abrão, então secretário-executivo da CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos), de seu cargo mostram a proximidade de Almagro com o governo de Jair Bolsonaro.

A decisão contra Abrão foi apoiada pelo Planalto uma vez que o considerava de orientação ideológica à esquerda por ter trabalhado no governo da ex-presidente Dilma Rousseff como secretário nacional de Justiça.

Veja também

Presidente do Conselho de Ética sugere licença para senador flagrado com dinheiro na cueca
Chico Rodrigues

Presidente do Conselho de Ética sugere licença para senador flagrado com dinheiro na cueca

Amiga de Flávio Bolsonaro, 'tia Carminha' é madrinha da indicação de Kassio ao STF
Política

Amiga de Flávio Bolsonaro, 'tia Carminha' é madrinha da indicação de Kassio ao STF