Genro de novo presidente do BNDES é lobista investigado na Lava Jato

De acordo com as investigações, lobista defendia interesses do PMDB na Petrobras

Economista Paulo Rabello de Castro Economista Paulo Rabello de Castro  - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O empresário Bruno Gonçalves Luz, que foi preso na operação Lava Jato, é genro do economista Paulo Rabello de Castro, que assume o BNDES no lugar de Maria Silvia, na próxima quinta-feira (1). A informação foi antecipada pelo site "O Antagonista".

O futuro presidente do banco estatal é pai de Christine Rabello de Castro Luz, casada com o empresário. Ele foi preso durante a operação junto com o pai dele, Jorge Luz, pela polícia de imigração no aeroporto de Miami.

De acordo com as investigações, pai e filho atuavam como lobistas, defendendo interesses do PMDB na Petrobras. Jorge Luz é apontado pela Lava Jato como padrinho de um dos grandes operadores da corrupção na Petrobras, o lobista Fernando Soares, 48.

Radicado no Rio de Janeiro desde os anos 1970, Luz era tratado pelos investigadores como uma espécie de "operador dos operadores". Em nota enviada ao site, Rabello Castro afirmou que sua filha é casada em regime de separação total de bens.

Sobre o genro, disse que ele "sempre foi um excelente pai de família, ótimo marido e um bom empresário, o que provavelmente não o isenta de ter cometido algum deslize".
Procurada pela reportagem, a assessoria do BNDES Castro ainda não tomou posse no banco e não comentará a nota.

Veja também

Prefeito do Recife, João Campos, testa positivo para Covid-19
Coronavírus

Prefeito do Recife, João Campos, testa positivo para Covid-19

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral
Política

Tribunal abre brecha para reduzir pena tricentenária de Sérgio Cabral