Geraldo Julio dispara contra a PEC 241

Outra reivindicação foi a liberação de recursos para a construção do Ramal do Agreste e a Adutora do Agreste

Isaltino Nascimento, deputado estadualIsaltino Nascimento, deputado estadual - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

 

Um dia após a votação final da Proposta de Emenda Constitucional 241, uma das medidas centrais do ajuste fiscal promovido pelo Palácio do Planalto, o governador Paulo Câmara (PSB) teve sua primeira audiência com o presidente Michel Temer (PMDB), na quarta-feira (26), em Brasília. O encontro ocorre um dia após a maioria da bancada do PSB de Pernambuco votar contra a matéria que é a menina dos olhos do Governo Federal. Dos socialistas pernambucanos, apenas o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho (PSB), e o deputado federal Marinaldo Rosendo (PSB) votaram favoravelmente.

Mas enquanto Paulo Câmara tentava estreitar o diálogo administrativo, o prefeito do Recife e candidato à reeleição, Geraldo Julio (PSB), partiu para o ataque contra a aprovação da proposta de congelamento de gastos. Segundo ele, a matéria pressionará os gestores municipais a reduzir serviços e trará prejuízos à Saúde e Educação Pública.

“A gente discorda da PEC como ela está. Uma PEC que está trazendo prejuízo para a Saúde, prejuízo para a Educação, prejuízo para populações mais pobres do País. Não dá para fazer um ajuste fiscal penalizando só a população que precisa do serviço público. A PEC arrocha isso, mas não arrocha os encargos financeiros. Isso não está correto”, bateu, em entrevista à Rádio Jornal, ontem. O PSB defendeu a aprovação de emendas na PEC que protegiam as áreas de Saúde e Educação, mas a demanda não foi atendida e a matéria foi aprovada sem as sugestões.

Portas abertas
Apesar da ofensiva do PSB contra a iniciativa, Paulo Câmara encontrou as portas abertas em Brasília, mesmo voltando, mais uma vez, para o Estado com somente promessas na bagagem. A avaliação é que o encontro serviu para estreitar os laços administrativos e dar encaminhamento para projetos estratégicos para o Estado. Ao lado do vice-governador Raul Henry (PMDB), que ele entregou uma carta com os pleitos do Governo do Estado como a inclusão do Aeroporto dos Guararapes, da BR-232 e do Arco Metropolitano no pacote de concessões federais, além da devolução da autonomia do Porto de Suape, a duplicação da BR-423, no trecho entre São Caetano e Garanhuns, a retomada das obras da Ferrovia Transnordestina e a conclusão da Refinaria Abreu e Lima.

Outra reivindicação foi a liberação de recursos para a construção do Ramal do Agreste e a Adutora do Agreste. “O presidente se colocou à disposição para aprofundar as questões não apenas de Pernambuco, mas do Nordeste. O presidente, inclusive, tomou a iniciativa de fazer encaminhamentos junto aos ministros”, avaliou Câmara.

 

Veja também

TSE repassou ao WhatsApp 1.020 denúncias de disparo em massa nas eleições
eleições

TSE repassou ao WhatsApp 1.020 denúncias de disparo em massa nas eleições

Mourão diz que posição do governo não é por uma Constituinte
Brasil

Mourão diz que posição do governo não é por uma Constituinte