Gilmar aprova intervenção de Aras na Escola do Ministério Público da União

Em janeiro, Aras interrompeu os mandatos em exercício de 16 conselheiros e coordenadores da ESMPU sem prévia comunicação

Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes  - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O ministro Gilmar Mendes indeferiu pedido para suspender duas portarias do procurador-geral da República, Augusto Aras, que alteraram o estatuto da Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU) e afastaram conselheiros e coordenadores da instituição.

Em janeiro, Aras ignorou normas internas e interrompeu os mandatos em exercício de 16 conselheiros e coordenadores da ESMPU sem prévia comunicação.

Reportagem da Folha de S.Paulo revelou a interferência autoritária do PGR, considerada uma tentativa de aparelhamento da escola que cuida da profissionalização de procuradores e servidores do Ministério Público da União. Aras havia afirmado que existia uma "linha de doutrinação", um alinhamento à esquerda.

Leia também:
Procuradores questionam intervenção de Aras na escola do Ministério Público
Conselho cobra explicações de Aras sobre mudanças na Escola do Ministério Público


A Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho - ANPT questionou a decisão, no Supremo Tribunal Federal, por meio de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF).

A entidade sustentou que Aras violou o princípio da autonomia e chefia republicana do MPU. Alegou que a escola é órgão autônomo, de acordo com a Lei 9.628/1998.
A ADPF foi ajuizada no dia 20 de fevereiro. A decisão de Gilmar Mendes é do dia 26 de março.

'RESERVA DE ADMINISTRAÇÃO'
Gilmar Mendes levantou dúvidas sobre a legitimidade da ANPT para impugnar os atos do PGR, "uma vez que representa apenas parte da categoria afetada".

"É muito difícil indicar, a priori, os preceitos fundamentais da Constituição passíveis de lesão tão grave", afirmou o ministro. "O caso da presente arguição claramente não se enquadra na hipótese de ofensa direta à Constituição".

Segundo Mendes, "embora a autonomia funcional e administrativa do Ministério Público possa ser entendida como preceito fundamental, não verifico sua relação com a norma impugnada, que trata da organização e funcionamento de órgão interno do Ministério Público da União, vinculado ao Procurador-Geral da República".

Compete ao PGR, diz o relator, "indicar e nomear os membros que compõem o Conselho Administrativo, nos termos da lei".

"A lei que regulamenta a criação e o funcionamento da Escola nada estabelece quanto a mandatos para os membros do Conselho Administrativo, apenas dispõe caber ao PGR nomear os membros", registrou o relator.

Mendes considera importante como exercício da autonomia do MPU uma espécie de "reserva de administração" ao chefe do órgão, de modo que o novo dirigente não seja "governado" pelo anterior -poder equivalente ao conferido ao presidente da República para escolher seus ministros.

DESTITUIÇÃO INÉDITA
A primeira portaria de Aras alterou dispositivos do estatuto da escola sem a participação do Conselho Administrativo, suprimindo a garantia de prazo determinado para os mandatos de conselheiros.

A segunda exonerou toda a composição do Conselho Administrativo com mandato vigente e os coordenadores de ensino.

O ato de Aras é inédito, ainda segundo a reportagem. A escola foi criada em 1998, mas efetivamente instalada em 2000. Em 2004, o estatuto instituiu a previsão de mandato para diretores, conselheiros e coordenadores por dois anos prorrogáveis por mais dois.

A figura do mandato sempre foi mantida e nenhum procurador-geral destituiu integrantes do conselho ou da coordenação que ainda tivessem tempo a cumprir na escola.

A mudança foi vista por ex-dirigentes da escola e integrantes de braços do MPU como uma interferência autoritária que tem como objetivo doutrinar a instituição.

"Toda e qualquer atitude pessoal do procurador-geral, revogando mandatos em curso, tem claro viés autoritário", afirmou o ex-PGR Claudio Fonteles.

Com a extinção dos mandatos, o procurador-geral da República pode destituir a qualquer tempo membros do conselho administrativo.

No dia 23 de março, o conselheiro Valter Shuenquener, do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), extinguiu Procedimento de Controle Administrativo instaurado para impugnar as duas portarias de Aras.

Shuenquener entendeu que não é atribuição constitucional do conselho controlar os atos praticados pelo procurador-geral da República. Considerou não haver irregularidade na alteração estatutária e, tampouco, direito para a manutenção dos mandatos que os requerentes ostentavam.

O conselheiro determinou o envio de cópia da decisão ao ministro Gilmar Mendes, mas não há menção no despacho do relator no STF.

O novo diretor da ESMPU, nomeado por Aras, é o subprocurador-geral Paulo Gustavo Gonet Branco, ex-sócio de Gilmar Mendes no IDP (Instituto Brasiliense de Direito Público). Entre outras atividades registradas no currículo Lattes, Gonet é professor e coordenador do mestrado acadêmico do IDP. Mendes é docente permanente do IDP.

O ministro não se julgou impedido para atuar como relator.

Veja também

Gilmar manda para PGR pedidos de investigação de conduta de Braga Netto sobre eleições de 2022
Eleições 2022

Gilmar manda para PGR pedidos de investigação de conduta de Braga Netto sobre eleições de 2022

Com reforma, Bolsonaro consolida 27 trocas na Esplanada dos Ministérios em dois anos e meio
Política

Com reforma, Bolsonaro consolida 27 trocas em dois anos e meio