Ministro

Gilmar Mendes será relator de recurso do MP contra foro a Flávio Bolsonaro

xx

Gilmar MendesGilmar Mendes - Foto: Carlos Moura/STF

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes será o relator do recurso do Ministério Público contra a decisão do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) que concedeu foro privilegiado ao senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Gilmar Mendes foi escolhido como relator por já ter julgado no passado outra ação ligada às investigações contra o senador. Isso acontece com base na regra da prevenção: quando um ministro atua em um processo, torna-se o responsável por novos casos que tenham conexão com aquele.

Em setembro de 2019, o ministro suspendeu as investigações contra Flávio até que o STF decidisse sobre as regras de colaboração do antigo Coaf em investigações criminais. Na última quinta-feira (25), a 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio aceitou o pedido da defesa de Flávio para que a investigação sobre o suposto esquema de "rachadinha" na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio) deixasse a primeira instância e passasse a tramitar no Órgão Especial do TJ.

No recurso ao TJ-RJ, a defesa de Flávio Bolsonaro alegou que o senador ainda era deputado estadual quando a investigação foi iniciada contra seu ex-assessor Fabrício Queiroz, pivô das investigações. Na segunda (29), o Ministério Público apresentou uma ação ao STF para tentar reverter a decisão do TJ-RJ. A Promotoria alega que a decisão do TJ-RJ desrespeitou o julgamento do STF que restringiu as regras do foro privilegiado, e pede que as investigações voltem à supervisão do juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal, que determinou a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio.

A regra do foro, prevista na Constituição Federal e em constituições de estados, estabelece que ocupantes de determinados cargos sejam julgados numa instância específica da Justiça.Em 2018, o STF decidiu que essa previsão só se aplica se o crime tiver sido cometido durante o exercício do cargo público e se tiver, de alguma forma, ligação com o cargo.

Portanto, para o STF, quando o político deixa o cargo, perde também o direito ao foro especial, e, mesmo se for eleito a um novo cargo público, o processo é mantido na primeira instância da Justiça. O TJ do Rio entendeu que, como Flávio não deixou de exercer mandato parlamentar, sendo eleito senador enquanto era deputado estadual, deveria manter o direito ao foro privilegiado.

Reservadamente, ministros do STF criticaram essa decisão, afirmando que ela contraria o entendimento do Supremo. Em repetidas decisões, o STF negou foro privilegiado a parlamentares que deixaram o mandato sob investigação e passaram a ocupar um outro cargo.

Veja também

Moraes manda soltar blogueiro bolsonarista mas impõe restrições
STF

Moraes manda soltar blogueiro bolsonarista mas impõe restrições

Sob pressão de ideológicos, Feder diz que recusa convite para o MEC
Educação

Sob pressão de ideológicos, Feder diz que recusa convite para o MEC