justiça

Gilmar Mendes vota a favor da mudança de taxa de correção trabalhista

Decisão muda forma como cálculo de ônus trabalhista é feito em ações

Gilmar MendesGilmar Mendes - Foto: Carlos Moura/STF

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta quarta-feira (26) para afastar a aplicação da Taxa Referencial (TR) na correção monetária de dívidas trabalhistas. Pelo entendimento do ministro, a taxa, definida na reforma trabalhista de 2017 como índice de correção de valores devidos aos trabalhadores, é inconstitucional. 

De acordo com Mendes,  o Índice de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA-E) deve ser aplicado na fase pré-judicial e a taxa Selic, taxa básica da economia, deve ser usada após a fase de citação. Os dois índices rendem mais que a TR e são mais favoráveis ao trabalhador. 

Após o voto do ministro, que é relator do caso, a sessão foi suspensa e será retomada amanhã (27) para continuidade da votação. Mais dez ministros devem votar. 

O julgamento foi motivado por ações protocoladas por diversas entidades para que a TR não seja utilizada na correção de créditos trabalhistas. Para as entidades, o IPCA-E deveria ser utilizado. 

A TR é um índice calculado pelo Banco Central que costuma ficar abaixo da inflação anual. Em 2019, a TR foi de 0%. A Selic está em 2% ao ano. 

Em seu voto, Mendes entendeu que a TR é inadequada para atualização de débitos trabalhistas. Dessa forma, o IPCA-E e a Selic devem ser utilizadas pela Justiça do Trabalho para realizar as correções dos créditos do trabalhador. 

“Estou julgando parcialmente procedente as ações para conferir interpretação conforme à Constituição, no sentido de considerar que na atualização dos créditos decorrentes de condenação judicial e a correção de depósitos recursais em contas judiciais na Justiça do Trabalho deverão ser aplicados, até que sobrevenha solução legislativa, os mesmos índices de correção monetária e de juros vigentes para as condenações cíveis em geral, quais sejam, a incidência do IPCA-E na fase pré-judicial e a partir da citação, a incidência da taxa Selic", votou o ministro. 

No dia 27 de junho,  Gilmar Mendes suspendeu todas as ações sobre a questão em tramitação na Justiça do Trabalho para aguardar a decisão da Corte. A decisão foi assinada pouco antes de o Tribunal Superior do Trabalho (TST) retomar o julgamento sobre o assunto. No mesmo mês, o tema chegou a entrar na pauta do plenário da corte trabalhista, onde 17 dos 27 ministros já votaram pela adoção do IPCA.

Veja também

Candidatura do Cacique Marquinhos em Pesqueira segue indeferida após TRE-PE negar embargos
Eleições 2020

Candidatura do Cacique Marquinhos em Pesqueira segue indeferida após TRE-PE negar embargos

TSE nega que haja multa para justificativa de ausência via aplicativo
eleições

TSE nega que haja multa para justificativa de ausência via aplicativo