Gleisi prega a resistência e diz que mexeram em um 'vespeiro'

"Se eles queriam fazer enfrentamento político, deram a largada", disse a presidente nacional do PT

Senadora Gleisi HoffmannSenadora Gleisi Hoffmann - Foto: Divulgação/ Agência PT de Notícias

A dois dias do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), também pregou resistência para mostrar que não estão "mancos", nesta segunda (22). A fala corrobora o discurso do líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), que voltou a defender "luta nas ruas", durante ato em Porto Alegre.

"Estamos em uma bifurcação histórica. Ou a gente enfrenta este processo, mostra que vai ter resistência neste país, ou eles vão passar por cima de nós". Segundo a petista, "eles mexeram num vespeiro". "Se eles queriam fazer enfrentamento político, deram a largada", disse.

Leia também:
Líder do PT no Senado volta a defender 'luta nas ruas'
Porto Alegre terá atiradores de elite para julgamento de Lula
Tribunal transmitirá ao vivo julgamento de Lula


Gleisi disse ainda em entrevista à Rádio Guaíba, em Porto Alegre, nesta segunda, que a imprensa e setores da direita não esperavam o apoio da população à candidatura de Lula. "O sonho de consumo da direita brasileira, dessa gente que está governando e acabando com o Brasil, é fazer uma disputa eleitoral entre eles... Está igual o jogo do Garrincha com os russos, esqueceram de combinar com os russos", afirma.

"Matar gente"
A senadora voltou a criticar a repercussão na imprensa da declaração que fez, de que para prender Lula seria preciso "matar gente". "Não vi essa indignação com a morte do reitor Cancellier. Daí faço uma fala, que é uma força de expressão, e eles surtam. É absurdo o que estamos vivendo. O que estão fazendo de incitação à violência desde o golpe da Dilma é uma barbaridade. Aí quando queremos levantar o tom da voz nós não podemos?"

Questionada sobre a possibilidade de Lula ser preso, Gleisi afirmou três vezes que o partido não trabalha com essa hipótese e que também não há intenção de substituir Lula por outro candidato.

"Qualquer ação política que faça no sentido de não confirmação da candidatura do Lula é reconhecer o processo que estamos denunciando", disse a senadora, novamente criticando a sentença que condenou o ex-presidente Lula a nove anos e meio de prisão.

Gleisi comparou o tratamento dado por Moro a Lula ao da ex-mulher de Eduardo Cunha, Claudia Cruz, que foi absolvida pelo juiz, que teria dito que o dinheiro que ela gastou era ilegal, mas que não tinha relação com Petrobras. "O Sergio Moro tem muito a explicar sobre essa relação Eduardo Cunha e Claudia Cruz", afirmou.

Sobre a menção de seu nome nas delações da Odebrecht, Gleisi disse que seu caso é semelhante ao de Lula, que não há provas e que seria preciso provar que tinha recebido dinheiro ilegal para a campanha. "Se tiver uma condenação no meu caso, ninguém mais vai ser absolvido nesse país", afirmou.

Em outra crítica ao Judiciário, Gleisi falou da entrevista concedida pelo presidente do TRF-4 sobre o julgamento. "A couraça se quebra quando chegam os holofotes, infelizmente", disse, acrescentando: "Não estou aqui para julgar, mas ele não podia ter dado entrevista. Tinha que se preservar".


Veja também

Ricardo Teobaldo fortalece Podemos nas eleições municipais
Edmar Lyra

Ricardo Teobaldo fortalece Podemos nas eleições municipais

A disputa se afunila em Salgueiro
Carlos Britto

A disputa se afunila em Salgueiro