Governador volta ao Palácio com cronograma de retomada a tiracolo

Anúncio será feito na segunda-feira, mas medidas não são imediatas

Governador Paulo CâmaraGovernador Paulo Câmara - Foto: Aluísio Moreira /SEI

Após testar positivo para Covid-19 no último dia 18, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, conclui o período de isolamento ao qual se submeteu em função da doença neste domingo. No mesmo dia, chega ao fim a chamada quarentena rígida que ele decretara para cinco municípios e não haverá prorrogação. Nesse caso, Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e São Lourenço da Mata voltam a se submeter às regras de isolamento das demais cidades. O detalhe é que o fechamento desse ciclo já vem acompanhado de um plano de retomada das atividades econômicas e sociais. Em vídeo gravado ainda ontem para ser exibido em suas redes, o governador já começou a introduzir o assunto. Na segunda-feira, fará o anúncio de um cronograma. De antemão, na mensagem para internet, crava que o decreto de quarentena não será prorrogado, alerta que "a guerra contra a doença não foi vencida", pede manutenção do "esforço coletivo" e diz que houve um "passo importante na desaceleração da epidemia". Mas adverte: "Não é hora de um retorno em massa às ruas".

Paulo Câmara defende a manutenção do "isolamento" como forma de “não colocar a perder todo o sacrifício feito até agora". Na esteira, já fala em "programação de liberação das atividades econômicas e sociais, de acordo com as orientações dos especialistas". E isso vai se dar, segundo ele, "num processo gradual e com monitoramento permanente". Nos bastidores do governo, secretários alertam que não haverá medidas imediatas de retorno já na segunda-feira, a não ser o anúncio do plano que lança perspectivas de flexibilização. Pelo roteiro previsto, Paulo Câmara retorna ao Palácio das Princesas na segunda, carregando a tiracolo o cronograma da retomada da economia no Estado, que deve marcar o início de um novo ciclo em meio à pandemia.

 

Construção em primeiro da fila
Seguindo a tendência do que vem sendo abordado pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, em lives e em entrevistas recentes, a construção civil deve ser um dos primeiros setores a ter suas atividades retomadas com aval do Governo do Estado. Há uma bolsa de apostas, nos bastidores, dando conta de que o setor figura, praticamente, em primeiro da fila.
EPIs > Nas coxias, informações dão conta de que o plano deve ter, pelo menos, cinco fases, baseadas em aspectos como tipo de risco (viabilidade do uso de EPIs). Atividades com maior capacidade de fiscalização aparecerão em primeiro plano na abertura.
Cada qual > Outros eixos nos quais se baseiam os estudos é a capacidade do sistema de Saúde, a evolução da pandemia e a regionalização, que vai nortear a adoção de tratamentos diferentes, de acordo com o grau de evolução da Covid-19 em cada local.
Abre-alas > A primeira proposta de prorrogação do auxílio emergencial protocolada na Câmara Federal é de autoria do deputado pernambucano Wolney Queiroz. O texto prevê a continuidade do benefício por três meses: julho, agosto, setembro. Pelo regimento, todas as outras propostas são apensadas a ela. Se Rodrigo Maia decidir puxar esse debate para Câmara, o texto do pedetista (PL 2222/2020) deve ser o "projeto mãe".
Pensando nisso > Os deputados Tadeu Alencar e Lídice da Mata protocolaram, junto à PGR, pedido de abertura de inquérito contra o general Augusto Heleno, em função da nota divulgada por ele "alertando" para riscos à estabilidade após decisões do STF. Se aceita, ação abre caminho para o impeachment do ministro militar. 

Veja também

Gilmar manda para PGR pedidos de investigação de conduta de Braga Netto sobre eleições de 2022
Eleições 2022

Gilmar manda para PGR pedidos de investigação de conduta de Braga Netto sobre eleições de 2022

Com reforma, Bolsonaro consolida 27 trocas na Esplanada dos Ministérios em dois anos e meio
Política

Com reforma, Bolsonaro consolida 27 trocas em dois anos e meio