Governadores discutem segurança pública nesta quarta; Moro deve participar

Já confirmaram presença 25 governadores e um vice-governador

Governadores eleitos e reeleitos durante Fórum em Brasília, em novembroGovernadores eleitos e reeleitos durante Fórum em Brasília, em novembro - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Segurança pública será o tema central da segunda reunião dos governadores eleitos e reeleitos, que ocorre nesta quarta-feira (12) em Brasília, na sede do Conselho Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Até a noite de terça (11), 25 governadores e um vice-governador haviam confirmado presença. O futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, também deverá participar do debate.

O encontro é organizado pelos governadores eleitos do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), e de São Paulo, João Doria (PSDB). Além de Moro, vão participar os presidentes do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, e do Superior Tribunal de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, bem como o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann.

Na última reunião, em novembro, os governadores combinaram que levariam para debate temas consensuais. Foram definidos 13 assuntos prioritários dos estados. Algumas propostas, como as reformas da Previdência, administrativa e tributária, são listadas como necessárias, mas os governadores não têm posição conjunta sobre quais pontos devem ser aprovados.

Leia também:
Governadores do Nordeste voltam a Brasília em busca de recursos
Governadores do Nordeste fecham agenda única para levar a Bolsonaro
Governadores do Nordeste fazem convite a Bolsonaro
Governadores eleitos se reúnem em Brasília

Veja também

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal
Protesto

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus
Congresso

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus