Governistas irão ao Conselho de Ética contra senadoras que impediram votação

Senador José Medeiros (PSD-MT) está recolhendo assinaturas após parlamentares impedirem sessão sobre reforma trabalhista

Senadoras da oposição ocupam mesa do plenário para impedir a votação da reforma trabalhistaSenadoras da oposição ocupam mesa do plenário para impedir a votação da reforma trabalhista - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O senador José Medeiros (PSD-MT) está recolhendo assinaturas de seus colegas parlamentares com o objetivo de ingressar no Conselho de Ética contra as senadoras da oposição que protestam no Plenário do Senado contra a votação da reforma trabalhista. Medeiros diz não ter dúvidas de que houve quebra de decoro por parte das parlamentares, que ocuparam a Mesa do Senado e impediram o presidente da Casa, Eunício Oliveira, de presidir a sessão que analisaria o projeto.

Segundo ele, a representação será oferecida também aos "insufladores" e "mentores 'initelectuais' da baderna", sem indicar outros nomes. Até o momento, 10 senadores já assinaram a representação. "Isso não é o senador Medeiros. É o corpo do Senado que está se sentindo extremamente atingido, com vergonha alheia desse espetáculo que foi dado aqui para o Brasil e para o mundo, e querem representar para que o Conselho de Ética possa se posicionar", afirmou o senador.

Quatro horas após Eunício Oliveira suspender a sessão por tempo indeterminado, parlamentares da oposição continuam ocupando o plenário do Senado e dizem que só vão permitir o início da apreciação da reforma trabalhista depois de um acordo que permita aos senadores votarem em separado as condições de trabalho para grávidas em locais insalubres.

Há pouco, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, determinou o religamento das luzes do Plenário na tentativa, mais uma vez, de retomar o comando da sessão. Desde o início da confusão, ele está reunido em seu gabinete com lideranças da base aliada do governo. Alguns senadores como os petistas Jorge Viana (AC) e Paulo Paim (RS) atuam para intermediar o impasse.

A confusão começou quando a senadora Fátima Bezerra (PT-RN) conduzia os trabalhos e concedia a palavra a outras parlamentares. Quando chegou para dar continuidade à sessão, Eunício Oliveira foi impedido, e o protesto continuou sendo feito pelas senadoras Gleisi Hoffmann (PT-PR), Ângela Portela (PT-ES), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Lídice de Mata (PSB-BA), Regina Sousa (PT-PI) e Kátia Abreu (PMDB-TO).

A senadora Gleisi Hoffmann defendeu que o Senado exerça o seu papel como Casa revisora e altere os pontos da reforma trabalhista que achar necessário. "Qual o problema de o projeto voltar de novo para a Câmara? As principais prejudicadas com essa reforma trabalhista são as mulheres. São as empregadas domésticas, as mães que não vão ter mais lugar salubre de trabalho, é a questão do menor salário. É isso que vai acontecer", criticou.

Leia mais:
Para aprovar o texto são necessários, pelo menos, 41 votos dos 81 senadores
Para juízes, procuradores e advogados, reforma trabalhista viola Constituição
Cármen Lúcia nega pedido para suspender tramitação da reforma trabalhista


Veja também

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus
Congresso

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus

Maia diz que discussão sobre impeachment de Bolsonaro será inevitável 'no futuro'
Política

Maia diz que discussão sobre impeachment de Bolsonaro será inevitável 'no futuro'