Política

Governo Bolsonaro demite o presidente do CNPq, órgão de fomento à pesquisa

João Luiz Filgueiras de Azevedo não foi avisado com antecedência de sua demissão e soube da exoneração após a publicação do ato no Diário Oficial da União

João Luiz Filgueiras de Azevedo, ex-presidente do CNPqJoão Luiz Filgueiras de Azevedo, ex-presidente do CNPq - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O governo Jair Bolsonaro (sem partido) demitiu nesta sexta-feira (17) o presidente do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), João Luiz Filgueiras de Azevedo.

Azevedo, que vinha combatendo o esvaziamento do órgão promovido pelo governo, não foi avisado com antecedência de sua demissão e soube da exoneração após a publicação do ato no Diário Oficial da União desta sexta. Quem assume o órgão é o pesquisador Evaldo Ferreira Vilela, ex-reitor da UFV (Universidade Federal de Viçosa).

O CNPq é ligado ao MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), pasta comandada por Marcos Pontes. O órgão é responsável pelo fomento da produção científica no país, com financiamento a projetos e a pesquisadores. Até o ano passado, o CNPq pagava 84 mil bolsas.

Leia também:
MEC quer fundir Capes e CNPq em uma só fundação; Marcos Pontes é contra
Problema de orçamento do CNPq está “sendo resolvido”, diz ministro
Pontes aguarda verba do Ministério da Economia para bolsas do CNPq


Sob a gestão de Pontes, o órgão perdeu prestígio na relação institucional dentro da pasta e foi rebaixado hierarquicamente. Azevedo despachou pessoalmente com o ministro raras vezes.

O CNPq também sofreu esvaziamento orçamentário do órgão. No ano passado, o governo só conseguiu recursos para o pagamento das bolsas no fim do ano, e o montante destinado à compra de equipamentos, por exemplo, teve forte redução. Em 2020, o MCTIC preteriu o CNPq na distribuição de recursos do FNDCT (Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

O ministério também excluiu, em portaria de março, as ciências humanas das prioridades de projetos de pesquisa no CNPq até 2023. Questionado na ocasião pela Folha, o conselho respondeu que só seguiria as determinações da pasta.

Depois da má repercussão da medida entre a comunidade científica, a pasta editou novo ato que restabeleceu, em parte, as ciências humanas no escopo das prioridades. Azevedo não se posicionou publicamente contra a exclusão, mas internamente defendia que o CNPq se mantivesse como uma agência forte e independente.

O MCTIC não respondeu aos questionamentos da Folha. A reportagem procurou João Azevedo, que disse ter sido pego de surpresa com a exoneração mas não fez outros comentários.

Também no Diário Oficial da União desta sexta foi publicada a nomeação da nova secretária de Educação Básica do Ministério da Educação, Ilona Becskeházy. O titular anterior do cargo, Janio Macedo, pediu demissão após desgaste com o ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Veja também

Justiça nega pedido de Gabriel Monteiro para suspender processo que pode terminar em sua cassação
Conselho de Ética

Justiça nega pedido de Gabriel Monteiro para suspender processo

PGR arquiva um dos pedidos de Bolsonaro contra Moraes, mas evita analisar mérito do caso
Procuradoria-Geral da República

Aras arquiva pedido de Bolsonaro contra Alexandre Moraes