Governo edita decreto que autoriza militares a requisitarem veículos particulares

A medida amplia o poder dos militares e servidores públicos nas rodovias e já havia sido anunciada como uma das possibilidades de ação do governo para tentar garantir normalidade no abastecimento de produtos no país

Michel TemerMichel Temer - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O governo publicou em edição extra do Diário Oficial da União deste sábado (26) um decreto que autoriza a requisição de veículos particulares necessários ao transporte rodoviário de cargas consideradas essenciais nas ações de desobstrução de vias públicas.

A medida, chamada de requisição, amplia o poder dos militares e servidores públicos nas rodovias. Ela já havia sido anunciada como uma das possibilidades de ação do governo para tentar garantir normalidade no abastecimento de produtos no país, afetado com a paralisação dos caminhoneiros que já se estende pelo sexto dia.

Leia também:
PRF aplica 349 multas em rodovias, no valor de R$ 1,77 milhão
Marun pede retorno ao trabalho e diz que PF já pediu prisões


O decreto que instituiu a GLO (Garantia da Lei e da Ordem), publicado nesta sexta-feira (25), já permitia, por exemplo, que um militar dirigisse um caminhão com a cessão do dono. O documento publicado neste sábado dá um passo além e permite que o servidor público requisite o veículo.

A condução pode ser feita por servidores de qualquer órgão da administração pública e pelos militares das Forças Armadas, desde que tenham habilitação específica.
O texto, que entra em vigor neste sábado, é assinado pelo presidente Michel Temer e pelos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Joaquim Silva e Luna (Defesa).

Veja também

Huck se encontra com Leite para discutir aliança eleitoral em 2022 entre autores de manifesto
Política

Huck se encontra com Leite para discutir aliança eleitoral em 2022 entre autores de manifesto

STF mantém julgamento sobre Lula em plenário e deixa decisão para esta quinta-feira (15)
Política

STF mantém julgamento sobre Lula em plenário e deixa decisão para esta quinta-feira (15)