Governo federal extingue mais de 13 mil cargos efetivos

De acordo com o texto publicado no Diário Oficial da União, mais de 93% desses cargos já estão vagos

Esplanada dos MinistériosEsplanada dos Ministérios - Foto: Marcello Casal Jr.

Passado um mês do decreto presidencial que extinguiu 21 mil cargos comissionados, funções e gratificações da esfera federal, o governo Jair Bolsonaro anunciou o fim de 13.231 vagas. Desta vez, são cargos efetivos da administração pública federal que já estão vagos ou que devem vagar nos próximos meses.

De acordo com o texto publicado no Diário Oficial da União, mais de 93% desses cargos já estão vagos. Apenas 916 aguardam a desocupação pelos órgãos aos quais estão submetidos.

Leia também:
Decreto de Bolsonaro corta 13,7 mil cargos em universidades públicas
Governo corta 21 mil cargos e gratificações


Assessores do governo explicaram que as funções aplicadas a estas vagas estão obsoletas para a atual dinâmica. Entre cargos incluídos no decreto figuram os de jardineiro, técnico em radiologia, guarda de endemias, mestre de lancha e operador de máquinas agrícolas.

As vagas elencadas no texto oficial deixam de existir a partir de 12 de junho de 2019, reduzindo organogramas dos Ministérios da Economia e da Saúde, da Advocacia Geral da União, da Fundação Nacional de Saúde e do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal (Sipec).

O enxugamento da máquina pública e a ampliação da eficiência dos serviços prestados à população têm sido reforçados pela equipe de Bolsonaro desde o início do governo. No caso de cargos comissionados, funções e gratificações extintos com o decreto de 13 de março deste ano, a expectativa do governo era de economia de mais de R$ 190 milhões anuais.

Veja também

A bronca de Zé Capacete em Trindade
Carlos Britto

A bronca de Zé Capacete em Trindade

Flexibilização gera esperança mas ainda requer cuidados
Edmar Lyra

Flexibilização gera esperança mas ainda requer cuidados