"Governo não fará acordo", diz Padilha sobre reforma trabalhista

Nos bastidores, auxiliares e assessores presidenciais acreditam que a votação da proposta deve ficar para quarta

Senadoras da oposição ocupam mesa do plenário para impedir a votação da reforma trabalhistaSenadoras da oposição ocupam mesa do plenário para impedir a votação da reforma trabalhista - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse que o governo não cederá em pontos da reforma trabalhista para acabar com obstrução feita por senadoras de oposição, que têm impedido a votação da proposta.

Leia mais
Eunício apaga luzes do Senado e adia sessão da reforma trabalhista


Ele disse acreditar que a proposta será votada ainda nesta terça-feira (11) e rechaçou a possibilidade dela sofrer mudanças para voltar a tramitar na Câmara. "O governo não vai fazer acordo", disse. "E vai votar hoje", completou, após participar de cerimônia no Palácio do Planalto.

Nos bastidores, no entanto, auxiliares e assessores presidenciais acreditam que a votação da proposta deve ficar para quarta-feira (12) e avaliam a possibilidade de um acordo com a oposição.

A ideia é que seja fechado o compromisso de incluir reivindicações de partidos oposicionistas em medida provisória preparada pelo Ministério do Trabalho com salvaguardas aos trabalhadores.

Estão entre os pontos a quarentena para o contrato intermitente, o trabalho de gestantes em local insalubre e o contrato de trabalhadores autônomos, entre outros. Se houver mudança, o projeto retornará para nova análise da Câmara dos Deputados.

A ordem do presidente repassada para a base aliada é de que não sejam feitas em nenhuma hipótese mudanças na proposta, o que criaria o risco dela ser derrotada na Câmara.

O presidente esperava, com a aprovação da reforma trabalhista, tentar amenizar a crise política criada com a tramitação de denúncia contra ele por corrupção passiva.
Com a obstrução, o receio é de que o mercado financeiro avalie que ele não tem condições de aprovar a proposta, o que poderia fortalecer movimento pela sua saída temporária do cargo.

As senadora Fátima Bezerra (PT-RN) sentou-se e se recusou sair da cadeira do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), o que o levou a interromper a sessão.

Eunício reuniu líderes dos partidos na presidência para discutir uma saída e tenta retomar a sessão ainda nesta terça-feira (11).

Veja também

PSOL pede que STF proíba Ministério da Saúde de distribuir cloroquina
Coronavírus

PSOL pede que STF proíba Ministério da Saúde de distribuir cloroquina

Maia marca audiência com embaixador da China para tentar resolver crise das vacinas
Política

Maia marca audiência com embaixador da China para tentar resolver crise das vacinas