Governo publica exoneração de sete ministros

O governo aguarda ainda a decisão de Henrique Meirelles sobre se sairá da Fazenda para disputar as eleições. Esta sexta é o prazo máximo para que ocupantes de cargos no Executivo se desincompatibilizem para se candidatarem a cargos eletivos.

Temer e ministros Temer e ministros  - Foto: Alan Santos/Presidência da República

O governo publicou no Diário Oficial da União, nesta sexta-feira (6), a exoneração de sete ministros que pretendem concorrer as eleições de outubro. Deixaram as pastas que ocupavam os seguintes ministros: Mendonça Filho (Educação), Fernando Bezerra Coelho Filho (Minas e Energia), Osmar Terra (Desenvolvimento Social), Leonardo Picciani (Esportes), José Sarney Filho (Meio Ambiente), Dyogo Oliveira (Planejamento) e Marx Beltrão (Turismo).

Esta sexta é o prazo máximo para que ocupantes de cargos no Executivo se desincompatibilizem para se candidatarem a cargos eletivos. O Palácio do Planalto aguarda ainda o pedido de exoneração de Helder Barbalho (Integração Nacional), o que deve acontecer à tarde, e sua exoneração sairá em edição extra no Diário Oficial.

Segundo a reportagem apurou, os ministros Alexandre Baldy (Cidades) e Aloysio Nunes (Relações Exteriores), decidiram não disputar eleições e permanecer o no governo. O mesmo gesto foi anunciado por Gilberto Kassab (Comunicações) esta semana, que não será mais candidato a vice na chapa de João Doria ao governo de São Paulo.

Leia também:
Dissolução na presença de ministros e Jucá realça benção
Temer exonera 8 ministros com mandato na Câmara para votação da 2ª denúncia


Meirelles

O governo aguarda ainda a decisão de Henrique Meirelles sobre se sairá da Fazenda para disputar as eleições. Ele se reúne na manhã desta sexta com o presidente Michel Temer para definir seu futuro. O chefe da equipe econômica se filiou ao MDB na última terça (3), sem garantias de que seria candidato, mas dizendo que sairia da pasta na sexta (6).

Como a Folha de S.Paulo mostrou na quinta (5), ele mudou o tom após o tratamento recebido na cerimônia em que se filiou ao MDB. Recebido em clima de campanha, ele se sentiu em segundo plano. A ausência de consultas do partido a ele para uso de usa imagem do evento e o jingle que dizia "M de Michel, M de Meirelles, M de MDB" o incomodaram. Para o ministro, a legenda e o próprio presidente não cumpriram o combinado de que os dois teriam o mesmo tratamento até que fosse definida a candidatura para o Palácio do Planalto.

Com apenas 2% das intenções de voto, segundo Datafolha, Meirelles sabia que Temer tem preferência para disputar a Presidência da República, mas ele havia combinado com o partido que tentaria se viabilizar eleitoralmente até julho.

Veja também

PGR pede que Supremo apure eventual crime de homofobia de Milton Ribeiro
Investigação

PGR pede que Supremo apure eventual crime de homofobia de Milton Ribeiro

Domingo marca o início oficial de campanha eleitoral. Confira a agenda dos candidatos a prefeito
blog da folha

Domingo marca o início oficial de campanha eleitoral. Confira a agenda dos candidatos a prefeito