Governo quer votação de créditos suplementares pelo Congresso

Ministério da Educação pode receber mais R$ 700 milhões só para o Fies, financiamento estudantil

Banda Pulso 100Banda Pulso 100 - Foto: Reprodução/Divulgação

O governo pretende que o Congresso Nacional vote, na noite de terça-feira (18), nove projetos que liberam crédito para diversos órgãos públicos, entre eles o Ministério da Educação, que pode receber mais R$ 700 milhões só para o Fies, financiamento estudantil.

O líder do governo na Câmara, deputado Andre Moura (PSC-SE), cobra da oposição a votação do projeto do Fies. "É uma matéria extremamente importante para o País e cria uma expectativa em milhões de estudantes, que aguardam que o Congresso Nacional cumpra o seu papel e dê as condições necessárias para que eles tenham a tranquilidade que o programa vai continuar. Espero que agora a oposição possa entender o grande mal que ela continua fazendo ao País, que não faça mais obstrução sem motivo.

Porém, o líder do PT, deputado Afonso Florence (BA), afirmou que a oposição tem motivos justos para continuar tentando barrar a aprovação de alguns itens. "Tentaram nos imputar a responsabilidade de não dar quórum para o Fies, mas eles estavam sustentando vetos que arrocham salários de servidores. O último veto é a desoneração tributária para empresas de saneamento. É uma oportunidade de abaixar o preço das tarifas de água e esgoto, vai diretamente para as famílias e o valor não é tão expressivo. Nós vamos tentar derrubar aquele veto. Então não se trata de obstrução ao Fies, e sim de que entramos no mérito a cada veto em análise."

Militares e pré-sal
O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, disse que, a fim de atrair deputados a Brasília para a sessão do Congresso, vai colocar assuntos em pauta também no Plenário da Câmara. Os parlamentares que não vierem terão desconto no salário. Podem entrar em pauta a Medida Provisória que permite que militares aposentados façam parte da Força Nacional de Segurança (MP 737/16) e os pontos que faltam para terminar a votação do projeto que tira a obrigatoriedade da Petrobras de explorar o petróleo na camada pré-sal (PL 4567/16).

Repatriação
Outro tema também pode voltar à pauta, depois de várias tentativas frustradas de votação: a proposta de mudanças na lei que permite que brasileiros regularizem dinheiro que mantém no exterior sem declarar à Receita Federal e pagar impostos (PL 2617/15). O presidente da Câmara foi taxativo ao dizer que o assunto não retornará ao Plenário, já que todas as alterações precisariam estar aprovadas na Câmara e também no Senado antes do final do mês. "Não há tempo para votar [o projeto] sem acordo. Como o acordo não existe, vamos cuidar das outras pautas."

Partidos de oposição são contrários à proposta, alegando que ela anistiaria pessoas que cometeram crimes e sonegaram bilhões de reais.

Mas o líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), acredita que ainda há espaço para acordo, principalmente porque na proposta há a previsão de distribuir mais de R$ 10 bilhões para municípios e estados, que viriam de parte da arrecadação com multas.

"Os estados estão quebrados. Estão com dificuldade de pagar a folha, 13º e encargos de final de ano. A situação é muito grave, por isso acho que ainda há espaço, mesmo que mínimo, para se negociar e votar até terça-feira", disse Bueno.

Vetos e LDO
No Congresso Nacional, estão pendentes de análise por deputados e senadores também três vetos presidenciais e o término da votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que estabelece regras para o Orçamento público do ano que vem.

Veja também

YouTube bloqueia vídeo de campanha de Russomanno por desrespeitar direitos autorais da Fifa
SÃO PAULO

YouTube bloqueia vídeo de Russomanno com imagens da Fifa

Analistas avaliam que pesquisa mostra consolidação de Campos e disputa dura por 2º lugar
PESQUISA FOLHA/IPESPE

Analistas avaliam que pesquisa mostra consolidação de Campos e disputa dura por 2º lugar