Governo teme reação do mercado após crise chegar a Temer

Integrantes da equipe econômica temem que Calero apresente apresente provas concretas de pressão que Temer teria feito

As inscrições para o concurso da Secretaria Estadual de Saúde seguem até o dia 28 As inscrições para o concurso da Secretaria Estadual de Saúde seguem até o dia 28  - Foto: Divulgação

O governo do presidente Michel Temer está preocupado com a reação do mercado financeiro diante do agravamento da crise que levou à demissão do ministro Geddel Vieira Lima (Governo).

Segundo a reportagem apurou, integrantes da equipe econômica avaliam que, caso o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero apresente as provas concretas da pressão que diz ter recebido do próprio presidente da República e de integrantes da Esplanada, a situação da economia deve piorar.

Isso porque, dizem, o mercado é muito sensível e, diante de qualquer possibilidade de queda do governo em razão da instabilidade política, "vai começar a debandar".

O principal temor do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, é que a crise política se agrave ainda mais e reflita na economia, imobilizando a recuperação ainda tímida, mas prevista por ele para acontecer no próximo ano.

De acordo com os prognósticos de Meirelles, com a aprovação do pacote de ajuste fiscal e o envio da reforma da Previdência ao Congresso ainda este ano, o país sairia da recessão em 2017 e começaria a crescer em seguida.

As projeções, porém, sofreram abalos nesta quinta-feira (24), pouco depois de a Folha de S.Paulo revelar que o ex-ministro da Cultura prestou depoimento à Polícia Federal em que disse que Temer o "enquadrou" para encontrar uma "saída" para a obra de interesse de Geddel.

A reportagem apurou que Calero gravou parte das conversas que teve com membros do governo sobre o assunto, o que alarmou o Planalto.

Auxiliares da Fazenda foram então procurados por empresários e integrantes do mercado financeiro ainda na noite de quinta para saber qual a real possibilidade de haver gravações contra Temer ou ministros do núcleo duro do Planalto. Demonstravam preocupação com a extensão da crise.

Nesta sexta, o dólar subiu e a bolsa caiu em reação à demissão de Geddel. Na contramão do exterior, o dólar à vista subiu para 1,26%, ficando em R$ 3,4390, e o dólar comercial aumentou 1,32%, para R$ 3,4440. O Ibovespa recuou 0,56%, ficando aos 61.050,52 pontos.

Obra

A construção do edifício La Vue Ladeira da Barra, em Salvador, foi embargada pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), e está no centro da mais recente crise envolvendo o Planalto.

Na semana passada, Calero pediu demissão após acusar Geddel de "pressioná-lo" para que o órgão de patrimônio vinculado à Cultura liberasse o projeto imobiliário em que o ministro da Secretaria de Governo havia comprado uma unidade.

Calero diz ter procurado Temer e ministros de Estado relatando as pressões de Geddel. Sustenta que elas não cessaram nem após o Iphan dar parecer contrário à obra nos moldes do projeto. A decisão ocorreu em 16 de novembro.

Calero disse ainda que Temer pediu para que ele construísse uma saída para que o processo fosse encaminhado à AGU (Advocacia-Geral da União), porque a ministra Grace Mendonça "teria uma solução".

A AGU nega qualquer tipo de pressão para produção de pareceres técnicos e diz que as afirmações de Calero são "levianas".

Veja também

Parte dos recursos para novo Bolsa Família já está comprometida neste ano
Bolsa Família

Parte dos recursos para novo Bolsa Família já está comprometida neste ano

Bolsonaro sanciona lei que garante prioridade de testagem a profissionais essenciais
Política

Bolsonaro sanciona lei que garante prioridade de testagem a profissionais essenciais