A-A+

Governo Temer liberou pareceres de reforma da Previdência

Ao analisar uma solicitação feita por um cidadão em 2017, a Ouvidoria-Geral da União, vinculada à CGU, entendeu que os pareceres e estudos da reforma de Temer deveriam ser liberados logo após o envio ao Congresso

Controladoria Geral da União (CGU)Controladoria Geral da União (CGU) - Foto: Iano Andrade/Portal Brasil

Parecer da Controladoria-Geral da União (CGU), órgão de controle interno do Executivo, contradiz entendimento do governo de Jair Bolsonaro para negar acesso a pareceres e estudos técnicos que embasam a reforma da Previdência enviada ao Congresso em fevereiro.

Ao avaliar pedido de um cidadão para ter acesso aos mesmos documentos, referentes à proposta de Michel Temer para mudanças nos regimes previdenciários, o órgão afirmou que o sigilo só se aplica até o envio do projeto de lei ao Legislativo.

O Ministério da Economia sustenta que os papéis da reforma de Bolsonaro são documentos preparatórios, ou seja, usados na elaboração de atos administrativos e de tomada de decisões.

A pasta argumenta que conforme o decreto 7.724/2012, que regulamenta a Lei de Acesso à Informação, a publicidade desse tipo de material só se dá a partir da edição do ato administrativo ou da decisão a que ele se refere. A PEC, no entanto, já foi editada pelo governo e remetida para o Congresso em fevereiro deste ano. Desde então, sua tramitação não é mais da alçada do Executivo.

Para a Transparência Brasil, entidade sem fins lucrativos que milita pelo controle social do poder público, o sigilo só faria algum sentido antes de o texto ser enviado aos parlamentares.

A Secretaria da Previdência alega, contudo, que a restrição de acesso vale até a aprovação da proposta, que ainda está em tramitação. A negativa do governo de Bolsonaro se deu em um pedido de acesso aos documentos da reforma feito pela Folha, por meio da LAI, como o jornal noticiou no domingo (21).

Leia também:
Governo cede e aceita mudar pontos da reforma na CCJ e sigilo causa tumulto
Sigilo de estudos sobre reforma da Previdência tem de cair em breve, diz Maia


Ao analisar uma solicitação idêntica à do jornal, feita por um cidadão em 2017, a Ouvidoria-Geral da União, vinculada à CGU, entendeu que os pareceres e estudos da reforma de Temer deveriam ser liberados logo após o envio ao Congresso. A solicitação havia sido feita à Casa Civil, que havia se negado a entregar os papéis por três vezes.
Diante disso, o requerente apelou à CGU.

"Entende-se que a salvaguarda legalmente atribuída aos documentos que fundamentaram a referida PEC [Proposta de Emenda à Constituição] se exauriu no momento em que a mesma foi apresentada ao Congresso Nacional", concluiu o órgão em sua análise sobre o caso.

A controladoria intercedeu perante a Casa Civil, que remeteu o material pleiteado ao cidadão. O parecer consta do banco de precedentes da LAI, mantido pela própria CGU.

Veja também

Protesto antiimigrantes termina com incidentes violentos no Chile
VIOLÊNCIA

Protesto antiimigrantes termina com incidentes violentos no Chile

Islândia se torna o primeiro país europeu a ter uma maioria de mulheres no Parlamento
Representatividade

Islândia se torna o primeiro país europeu a ter uma maioria de mulheres no Parlamento