Governo Temer silencia sobre acusações de Odebrecht contra Serra

Executivos da Odebrecht apontaram dois nomes à Lava Jato como sendo os operadores de milhões pagos via caixa dois

Deputado federal Silvio Costa (PTdoB-Avante), vice-líder da oposição na CâmaraDeputado federal Silvio Costa (PTdoB-Avante), vice-líder da oposição na Câmara - Foto: Agência Câmara

O governo Michel Temer silenciou nesta sexta-feira (28) sobre as acusações envolvendo o ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB).

Após a reunião nesta manhã Itamaraty, que contou com a presença dos presidentes dos três Poderes e de vários ministros, Temer fez uma breve declaração, respondeu a apenas uma pergunta, mas se calou quando questionado sobre as acusações feitas pela Odebrecht contra Serra.

Como revelou a Folha de S.Paulo nesta sexta, executivos da empresa apontaram à Lava Jato dois nomes como sendo os operadores de R$ 23 milhões pagos pela empreiteira via caixa dois à campanha presidencial do hoje chanceler, na eleição de 2010, em conta na Suíça.

O acerto do recurso no exterior, segundo a construtora, foi feito com o ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho (ex-PSDB e hoje no PSD), que integrou a coordenação política da campanha de Serra.

O suposto caixa dois operado no Brasil, de acordo com os relatos, foi negociado com o também ex-deputado federal Márcio Fortes (PSDB-RJ), próximo de Serra. No momento da pergunta da reportagem, Temer já encerrava a entrevista para a imprensa e virou de costas, subindo as escadas que levam aos gabinetes do Itamaraty.

Antes disso, limitou-se a exaltar a reunião como inédita e dizer que "o clima foi de harmonia absoluta e de responsabilidade. Todos eles, todos nós, voltados para este tema [segurança pública]".

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, que acompanhava a declaração de Temer, também não quis comentar as acusações contra Serra. "Eu cuido da Defesa, não vou responder a isso", esquivou-se.

SERRA NA REUNIÃO

O ministro José Serra participou das mais de três horas de reunião sobre segurança pública e também do almoço que aconteceu em seguida.

Ele rapidamente apareceu com Temer, sorridente, na porta de saída do Palácio do Itamaraty, quando a presidente do STF, Cármen Lúcia, despedia-se dos demais presentes ao encontro. Ela não participou do almoço.

Desde o meio da reunião já estava estabelecido que Serra não falaria com a imprensa, segundo assessores, para se poupar de desgaste. O chanceler embarca ainda nesta sexta-feira para Cartagena, na Colômbia, onde tem um encontro da Cúpula Iberoamericana.

Veja também

Justiça derruba decisão que bloqueava bens de Doria em ação por improbidade na Prefeitura de SP
são paulo

Justiça derruba decisão que bloqueava bens de Doria em ação por improbidade na Prefeitura de SP

Com 'Erundinamóvel', vice de Boulos entrará na campanha de rua para tentar forçar ida ao 2º turno
SÃO PAULO

Com 'Erundinamóvel', vice de Boulos entrará na campanha de rua para tentar forçar ida ao 2º turno