Governo testa em outubro modelo de leilões para exploração mineral no país

O leilão vai oferecer uma área da CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais) no Tocantins

Exploração de petróleoExploração de petróleo - Foto: Geraldo Falcão/Petrobrás

O governo realiza no mês que vem primeiro leilão de área para exploração de minérios no Brasil, em um modelo que tenta aproximar o sistema de concessões minerais ao do setor de petróleo.

O leilão vai oferecer uma área da CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais) no Tocantins. A área tem potencial para a exploração de cobre, chumbo e zinco e é parte de um conjunto de 30 blocos que compõem hoje a carteira do CPRM.
Outros quatro já entraram na lista do PPI (Programa de Parcerias e Investimentos) para oferta futura. O leilão agendado para o dia 21 de outubro, no Rio, é encarado como um teste do novo modelo e definirá a viabilidade da oferta das outras áreas, diz o coordenador executivo da Diretoria de Geologia e Recursos Minerais da estatal, Marcio José Remédio.

Leia também:
Estados brasileiros vão cumprir Acordo de Paris, diz Paulo Câmara
Proposta para exploração agropecuária em terras indígenas avança na Câmara
Produção de açúcar em Pernambuco é tema de palestra de José Nivaldo Júnior

O edital prevê o pagamento de bônus de até R$ 15 milhões parcelado de acordo com o desenvolvimento do projeto: 10% para um período exploratório de três anos, 40% após esse prazo, caso o projeto siga em frente, e o restante na concessão para a lavra da jazida.

Em um modelo parecido com os leilões do pré-sal, vencerá a disputa a empresa que se comprometer a compartilhar a maior parte da receita com o governo, partindo de um mínimo de 1,7%. O concessionário pagará ainda a compensação financeira para estados e municípios prevista em lei, cujos valores variam de acordo com o minério.
A área, de 60,5 quilômetros quadrados, está localizada no município de Palmeirópolis, a 420 quilômetros de Palmas. Também como no caso do petróleo, o concessionário será obrigado a realizar investimentos mínimos em pesquisa.

Os outros blocos já aprovados pelo PPI para leilão têm potencial para carvão, caulim, fosfato e cobre e cobalto. Estão localizadas, respectivamente, no Rio Grande do Sul, no Pará, na divisa entre Paraíba e Pernambuco e em Goiás. Atualmente, os direitos para a exploração de minério são concedidos pelo governo por ordem de chegada dos interessados. Em muitos casos, as empresas adquirem as áreas apenas para especular, à espera de descobertas próximas que valorizem o ativo para venda.

A ideia de realizar leilões tem o objetivo de limitar essa estratégia e definir investimentos mínimos em exploração, que ampliem o conhecimento geológico brasileiro. Será adotada também pela ANM (Agência Nacional de Mineração) para novas áreas exploratórias. De acordo com o diretor da agência, Eduardo Leão, o primeiro leilão desse tipo está programado para novembro. O órgão regulador vai ofertar cerca de mil áreas, também com bônus de assinatura mínimo e compromisso com investimentos em pesquisa.

Neste caso, as áreas ficam em oferta permanente e irão a leilão quando uma empresa demonstrar interesse, em um modelo parecido com o adotado pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) para blocos rejeitados em rodadas de licitações ou devolvidos por petroleiras. O leilão da ANM será eletrônico e vencerão as disputas as empresas que apresentaram os maiores lances pelas áreas.

Veja também

Com piora da pandemia, Rosa Weber manda Ministério da Saúde bancar leitos de UTI em três estados
Coronavírus

Com piora da pandemia, Rosa Weber manda Ministério da Saúde bancar leitos de UTI em três estados

Bolsonaro adota a tática do 'morde e assopra' para manter Guedes
Ministério da Economia

Bolsonaro adota a tática do 'morde e assopra' para manter Guedes