Governo vai fazer “DR” com siglas “traidoras”

Temer deve convocar, esta semana, líderes do PSB e PPS, legendas que tiveram votação elevada contra teto

A festa acontece dia 23 de fevereiro, no Classic HallA festa acontece dia 23 de fevereiro, no Classic Hall - Foto: Divulgação/Prefeitura do Recife

 

Apesar de avaliar como "positivo" o resultado da votação do teto dos gastos públicos, o Palácio do Planalto vai cobrar deputados da base aliada que votaram contra o governo ou se ausentaram da sessão da última segunda, na Câmara dos Deputados.

O próprio Michel Temer vai conversar com todos os partidos da base aliada, principalmente aqueles em que foram registradas mais traições, para garantir que eles busquem uma unidade nas bancadas a favor das propostas do governo.

O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) disse que o presidente vai ter uma "DR [discutir a relação]" com os partidos da base aliada, na busca de garantir maior coesão em torno dos projetos governistas. A intenção do presidente é chamar, ainda nesta semana, antes de sua viagem internacional, líderes de partidos como PSB e PPS, que registraram taxa elevada de traição na votação do teto, para discutir a relação.

"Se o presidente disse que vai ter uma DR, é óbvio que estamos aguardando. O ministro Geddel Vieira Lima sugeriu ao presidente [cobrar os aliados] e, depois dessa conversa, é que o governo federal vai poder se posicionar", disse o ministro da Casa Civil. "A base do governo federal se faz com aliados e o governo federal não prende ninguém na base de sustentação", acrescentou.

A estratégia é ameaçar parlamentares infiéis com o risco de perda de espaço no governo caso eles continuem votando contra medidas do presidente Michel Temer. Um assessor presidencial disse que o objetivo é tentar ampliar o placar da última segunda e não perder votos.

Além de mirar numa ampliação do placar na votação do segundo turno do teto dos gastos públicos, o alvo do governo também é a votação no futuro da reforma da Previdência Social.

O PSB, numericamente, foi o partido da base aliada que mais votou contra a proposta.

Dos 32 deputados presentes à sessão, dez votaram con­tra o governo. O partido tem, no governo, o comando do Ministério de Minas e Energia. Além do PSB, PPS e Pros também registraram traições em número considerado elevado pelo Palácio do Planalto.
Com esta estratégia, o governo espera que, no segundo turno da votação da emenda constitucional que cria o teto de gastos públicos, o número de votos a favor da proposta supere os 366 obtidos no primeiro turno.

Na contabilidade do Palácio, a expectativa era conseguir entre 355 e 365 votos no primeiro turno. O resultado final acabou superando em um voto as planilhas.

 

Veja também

Carlos quer explorar potencial turístico dos mercados públicos do Recife
Eleições 2020

Carlos quer explorar potencial turístico dos mercados públicos do Recife

Alberto Feitosa promete acompanhamento pedagógico de crianças com necessidades especiais
Eleições 2020

Alberto Feitosa promete acompanhamento pedagógico de crianças com necessidades especiais