'Gravidez é problema que dura só 9 meses', diz nova ministra da Mulher

Pastora Evangélica, Damares Alves acredita que o aborto deva ser admitido apenas em casos já previstos em lei

Damares Alves, futura ministraDamares Alves, futura ministra - Foto: Folhapress

Oficializada nesta quinta-feira (6) por Jair Bolsonaro (PSL) como ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves afirmou ser contra a legalização do aborto e disse que a gravidez é "um problema que dura só nove meses", enquanto interromper a gestação caminha ao lado da mulher "pela vida inteira".

"Se a gravidez é um problema que dura só nove meses, o aborto é um problema que caminha a vida inteira com a mulher", declarou Damares após sair de reunião com o presidente eleito na sede do governo de transição, em Brasília. Pastora evangélica, a nova ministra ressaltou que sua pasta não vai tratar do tema aborto e lidará somente com assuntos relacionados à vida.

Leia também:
Ministra de Direitos Humanos diz que 'mulher nasceu para ser mãe' e ideologia de gênero 'é morte'
Barroso diz que debate sobre aborto deve ser feito no Supremo


"Essa pasta não vai lidar com o tema aborto, vai lidar com proteção de vida e não com morte", disse Dalamares. "Nenhuma mulher quer abortar. Elas chegam até o aborto porque, possivelmente, não foi lhe dada nenhuma outra opção. A mulher aborta acreditando que está desengravindando (sic), mas não está".

Em uma década, o SUS gastou R$ 486 milhões com internações para tratar quadros de complicação do aborto, sendo 75% deles provocados. De 2008 a 2017, 2,1 milhões de mulheres foram internadas –os dados constam de relatório do Ministério da Saúde.
Assessora do gabinete do senador Magno Malta (PR-ES), que chegou a ser cotado para o cargo, Damares disse ainda que são necessárias "políticas públicas de planejamento familiar" para que a interrupção da gravidez não seja tratada como um "método anticonceptivo".

Para ela, o aborto será admitido apenas em casos previsto em lei. Hoje o aborto é permitido no Brasil quando a gravidez é resultado de estupro, gestação na qual há risco de morte para o feto ou para a mãe e no caso de anencéfalos -liberado pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Damares disse que o governo de Bolsonaro tem como prioridade "combater a violência", inclusive contra a comunidade LGBT, na tentativa de afastar a imagem de homofóbico que permeia o presidente eleito.

"Se precisar, estarei nas ruas com as travestis, na porta das escolas, com as crianças que são discriminadas", afirmou a nova ministra. Bolsonaro já deu diversas declarações contra minorias e chegou a dizer que preferia que um filho seu morresse em um acidente a ser gay.

Veja também

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara
STF

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação
Pandemia

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação