Greve não é mais de caminhoneiro, mas de quem quer derrubar o governo, diz Abcam

Segundo o presidente da Abcam, José da Fonseca Lopes, o cenário está "bem encaminhado" para que a situação volte ao normal na terça-feira

José da Fonseca Lopes, presidente da Abcam (Associação Brasileira de Caminhoneiros)José da Fonseca Lopes, presidente da Abcam (Associação Brasileira de Caminhoneiros) - Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

O presidente da Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros), José da Fonseca Lopes, afirmou nesta segunda-feira (28) que a paralisação não é mais dos caminhoneiros, mas de pessoas que querem "derrubar o governo". Fonseca estima que ainda faltam deixar a paralisação cerca de 250 mil caminhões.

Segundo ele, o cenário está "bem encaminhado" para que a situação volte ao normal na terça-feira (29). "Não é o caminhoneiro mais que está fazendo greve. Tem um grupo muito forte de intervencionistas nisso aí. Eles estão prendendo caminhão em tudo que é lugar. [...] São pessoas que querem derrubar o governo. Eu não tenho nada que ver com essas pessoas, nem nosso caminhoneiro autônomo tem. Eles estão sendo usados por isso", disse.

O presidente da associação afirmou que a desmobilização ainda não ocorreu de forma completa porque o Brasil é um país de dimensão continental e as pessoas precisam ser informadas sobre a negociação. Ele também disse que os caminhoneiros "estão sendo ameaçados de forma violenta" para manter a paralisação, por pessoas "que se dizem lideranças" e que estão envolvidas com partidos políticos. Fonseca, contudo, não citou nomes de pessoas ou partidos.

Leia também
Manifestantes ocupam a Esplanada dos Ministérios na tarde desta segunda
Grupo protesta a favor de caminhoneiros e da intervenção
Temer facilita entrega do petróleo brasileiro, diz Marinho em sabatina
Temer diz ter convicção de que paralisação será encerrada até esta terça


Fonseca disse que, durante a paralisação, empresas pararam as atividades porque "não tinham como rodar". "Para mim, nenhuma empresa veio pedir pra suspender uma greve. Nenhuma empresa veio pedir para fazer uma greve. Isso aconteceu de forma natural. Em determinado momento, fechou todas as rodovias, então as empresas não tinham como colocar caminhão na rua. As empresas pararam, todo mundo junto. Isso ajudou? Ajudou, mas eu, em nenhum momento, tive qualquer conversa em relação a isso", afirmou.

Na manhã desta segunda-feira, a Abcam informou que esperava uma redução "significativa" da quantidade de caminhões parados. Em nota, a entidade disse que vem trabalhando para que a informação do acordo com o governo chegue a toda a categoria, mas destacou que nem todos os caminhoneiros seguem o entendimento de que a paralisação deve chegar ao fim.

Leia também
Petrobras apela para que empregados não façam greve
Caminhoneiros já deram seu recado e é hora de restabelecer transporte, diz Alckmin


O presidente Michel Temer anunciou na noite de domingo (27) uma série de concessões que, para serem cumpridas, custarão R$ 10 bilhões aos contribuintes, segundo cálculos do governo. No pacote anterior, a perda estimada era de R$ 5 bilhões. Após quase 12 horas de reuniões no Planalto, ficou decidido que o preço do óleo diesel terá redução de R$ 0,46 por litro nas refinarias. Esse preço valerá por 60 dias. Terminados os dois meses, o diesel só será reajustado a cada 30 dias.

Fonseca afirmou que o governo deve "fazer das tripas coração" para que o desconto chegue ao valor do diesel na bomba.

Veja também

Câmara aprova urgência e acelera projeto para substituir Lei de Segurança Nacional
Congresso

Câmara aprova urgência e acelera projeto para substituir Lei de Segurança Nacional

Em reunião com embaixador americano, Paulo Câmara defende ações em defesa do meio ambiente
Blog da Folha

Em reunião com embaixador americano, Paulo Câmara defende ações em defesa do meio ambiente