Guarda-chuvas e carrinhos de bebê serão proibidos em posse de Bolsonaro

Desde a campanha eleitoral, quando foi atingido por uma facada, o presidente eleito vem sofrendo ameaças, identificadas pelos órgãos de inteligência do governo federal

Presidente eleito Jair BolsonaroPresidente eleito Jair Bolsonaro - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O público que comparecer à Esplanada dos Ministérios para a posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), não poderá transportar garrafas, guarda-chuvas, mochilas, animais, máscaras e carrinhos de bebês. As restrições foram informadas nesta terça-feira (18) pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sergio Etchegoyen, segundo o qual houve um reforço nas medidas de precaução.

Desde a campanha eleitoral, quando foi atingido por uma facada, o presidente eleito vem sofrendo ameaças, identificadas pelos órgãos de inteligência do governo federal.
A decisão se ele desfilará em carro aberto, por exemplo, ainda não foi tomada e, de acordo com o ministro, mesmo quando for definida, não será divulgada por uma questão de proteção.

Leia também:
Posse de Bolsonaro deve contar com aparelhos que bloqueiam celular e drones
Maduro e cubano são desconvidados de posse


"Se nós já tivéssemos a decisão, nós não iríamos informar. Não vamos fazer da posse, que é um momento tão bonito, uma questão de carro aberto e carro fechado, isso é menor", disse.

Em entrevista no Palácio do Planalto, o ministro disse que a Esplanada dos Ministérios será interditada às 0h do próximo dia 30 e só será liberada às 8h do dia 2 de janeiro. O acesso ao público será feito por um único acesso, pela rodoviária de Brasília, com a presença de quatro linhas com revista pessoal e detector de metal.

Com todas as medidas de segurança, o governo federal ainda não chegou a um número final sobre a capacidade máxima na Esplanada dos Ministérios, mas estima um total entre 250 mil e 500 mil pessoas. "Eu gostaria de assegurar com muita firmeza que a Esplanada dos Ministérios estará absolutamente segura para a festa da posse, sem que isso traga maiores constrangimentos ou dificuldades de acesso", disse.

Por questão de segurança, ele não confirmou se haverá atiradores e não informou o efetivo policial na cerimônia de posse. Perguntado, só disse que será o suficiente. Ele negou ainda que haverá bloqueadores de celulares. De acordo com o ministro, o aparato tecnológico bloqueará apenas frequências de controle de drones e de rádios clandestinas.

Presente na entrevista à imprensa, o ministro-chefe do cerimonial do Ministério de Relações Exteriores, Carlos França, informou que, até o momento, confirmaram presença nove chefes de estado, dois vices-presidentes e dois altos dirigentes de organizações internacionais.

Segundo o futuro ministro-chefe do GSI, Augusto Heleno, também presente na entrevista à imprensa, a ideia é que sejam convidados todos os senadores e, por conta da limitação de espaço, os líderes dos partidos na Câmara dos Deputados. "A ideia é convidarmos os líderes dos partidos. Sobre os senadores, segundo foi anunciado pelo próprio ministro Onyx Lorenzoni, todos devem ser convidados", disse.

De acordo com França, a recepção de chefes de estados, no Palácio do Itamaraty, tem capacidade para até 2.500 convidados. No Palácio do Planalto, onde acontecerá a passagem da faixa presidencial, o número máximo é de cerca de 2.000.

Sobre a segurança do futuro governo, Etchegoyen informou que enviou uma sugestão ao Congresso Nacional para que a segurança de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filhos do presidente eleito e eleitos para mandatos, seja feita pelo Poder Legislativo, mas ainda não teve resposta.

Veja também

Lula foi diagnosticado com Covid-19 e fez quarentena em Cuba
Coronavírus

Lula foi diagnosticado com Covid-19 e fez quarentena em Cuba

Cidadania recorre de decisão que barrou processo de expulsão de deputado que apalpou colega
Assédio

Cidadania recorre de decisão que barrou processo de expulsão de deputado que apalpou colega