Política

Henry diz que Rodrigo Maia é o mais injustiçado nesse processo

"A desigualdade regional, vamos discutir na reforma tributária"

Rodrigo Maia e Raul HenryRodrigo Maia e Raul Henry - Foto: Fabio Rodrigues/Ag. Brasil/Paulo Almeida Folh

Ao chegar ao Senado, o pacote de ajuda a Estados e municípios, aprovado por 431 a 70 votos na Câmara Federal, esbarrou em resistências. Líder do governo na Casa Alta, Fernando Bezerra Coelho criticou o texto, alegando que ele "não é justo do ponto de vista federativo" e que se configura em um "seguro-receita". FBC é do mesmo partido do deputado federal Raul Henry, que preside o MDB-PE. Os dois, no entanto, carregam opiniões opostas.

Para Henry, um estudioso do assunto, "a desigualdade regional no Brasil é assunto de 100 anos". Ele adverte: "A desigualdade regional, nós vamos discutir na reforma tributária". O emedebista aborda um dos entraves: "o imposto na origem". Recorda que foi invenção de Delfim Netto nos anos 60". E defende: "O imposto tem que ser cobrado no destino, isso favorece o Nordeste, assim como criar um fundo para a região, voltado a investimento em infraestrura, capital humano". A lógica, nesse momento, diz Henry, é repor receita para todo mundo pelo mesmo critério". Refere-se à recomposição do ICMS e do ISS, prevista no PL 149/2019. "Não faz sentido é haver redução de 30% da receita de todo mundo e um receber uma recuperação de 20% e outro de 40%", pontua.

Para Henry, "o conflito nessa ajuda a governadores e prefeitos se deu porque o ministro Paulo Guedes (Economia) queria um outro critério". E, aí, ele lembra que Rodrigo Maia nutre preocupações fiscais na mesma linha de Paulo Guedes, grifando que o democrata coordenou a aprovação da reforma da previdência e tem compromissos com reformas estruturantes. "O orçamento de guerra foi liderado por Maia", sublinha. Henry arremata: "Acho que Rodrigo Maia é a pessoa mais injustiçada desse processo todo, porque Rodrigo, de alguma forma, representa a classe política e como a classe no Brasil é muito questionada, é mais fácil atacar Rodrigo". O presidente faz essa escolha, na minha opinião, de maneira tática".

Comissões acéfalas
Deputados têm definido como um episódio inédito: a Câmara Federal deve terminar o primeiro semestre sem ter presidentes nomeados para as comissões permanentes. Resultado: os partidos pederam espaços na Casa. Nesse caso, os relatores estão sendo designados pelo presidente Rodrigo Maia em plenário. As comissões foram suspensas em função do novo coronavírus.
Regimento > Em meio à pandemia do novo coronavírus, a Assembleia Legislativa vai promover alteração do regimento interno no sentido de diluir prazos em função das urgências do governo Paulo Câmara no combate à Covid-19. A ideia é que a Casa fique acobertada para que não haja questionamentos.
Rodízio > O deputado federal João Campos assume a coordenação da Comissão Externa de Acompanhamento dos Trabalhos do MEC. O colegiado foi criado por ele, Tabata Amaral e Felipe Rigoni e os três decidiram fazer um rodízio. Ela assume a presidência e Rigoni será o vice-coordenador. O foco será o monitoramento das ações do MEC em meio à pandemia.
Live > Às 18h de hoje, a deputada federal Marília Arraes, pré-candidata à Prefeitura do Recife pelo PT, participa de uma live com o ex-ministro da Educação Fernando Haddad. Em pauta, o "Combate às Desigualdades". A petista realça que, na Capital, mais de 600 mil pessoas estão vivendo abaixo da linha da pobreza.
Radar > O jornalista Hugo Esteves é uma das apostas do PSC-PE, presidido por André Ferreira, para a Câmara do Recife este ano.

 

Veja também

Mulheres saem às ruas do Centro do Recife em ato pela democracia
Manifestação

Mulheres saem às ruas do Centro do Recife em ato pela democracia

Bolsonaro se esquiva de responder se fez "rachadinha": "É uma prática meio comum"
Presidente

Bolsonaro se esquiva de responder se fez "rachadinha": "É uma prática meio comum"