Hillary perde vantagem sobre Trump em Estados decisivos, diz pesquisa

Os dois presidenciáveis agora aparecem empatados na Flórida e na Carolina do Norte, onde Hillary se mantinha na dianteira

Câmara dos Vereadores do RecifeCâmara dos Vereadores do Recife - Foto: Bruno Campos/Arquivo Folha de Pernambuco

A corrida pela Casa Branca ficou mais apertada na reta final da campanha, com a candidata democrata, Hillary Clinton, perdendo vantagem para seu rival republicano, Donald Trump, em vários Estados decisivos, apontou uma pesquisa Reuters/Ipsos divulgada nesta sexta-feira (4).

Os dois presidenciáveis agora aparecem empatados na Flórida e na Carolina do Norte, onde Hillary se mantinha na dianteira. Em Michigan, a vantagem da democrata se reduziu muito e a disputa em Ohio segue empatada. Na Pensilvânia, a ex-secretária de Estado parece ter consolidado sua liderança.
Durante a última semana, o apoio a Trump cresceu em 24 Estados e caiu em outros 11. Hillary viu seu apoio crescer em 13 Estados e reduzir em 22.
Outra pesquisa, encomendada pelo jornal "Washington Post" e pela emissora ABC News, indica que Hillary recuperou a liderança sobre Trump no voto popular -a democrata aparece com 47%, contra 44% do republicano.
Os últimos dados da mesma sondagem, divulgados na terça (1º), mostravam que o magnata novaiorquino havia alcançado 46% das intenções de voto, um ponto a mais que a ex-senadora. O resultado contribuiu para a queda nas bolsas de valores dos EUA e da Europa e para a desvalorização do dólar.
CHANCES DE VITÓRIA
Os números revelados nesta sexta mostram que Hillary continua sendo a provável vencedora na eleição da próxima terça-feira (8), mas indicam que Trump tem alguma chance de vitória, especialmente se vigorar a previsão da pesquisa Reuters/Ipsos e o republicano ganhar as votações em Estados decisivos.
Segundo a sondagem, a democrata tem 90% de chances de ganhar a eleição, menos que os 95% registrados na semana passada.
O sistema eleitoral americano não funciona por votação direta, e sim por colégio eleitoral. Na maioria dos Estados, o partido que tiver a maioria dos votos nas urnas ganha todos os delegados. Ganha o candidato que conquistar a maioria de delegados do país.
Estados com grande população e que costumam variar sua preferência entre republicanos e democratas são considerados "Estados-pêndulo" e, neles, a disputa entre os candidatos pelo voto do eleitor tende a ser mais acirrada. É o caso de Flórida, Carolina do Norte, Pensilvânia, Ohio, Michigan, Colorado e Nevada.
Com esse sistema de votação, é possível que seja eleito presidente dos EUA um candidato que tenha perdido no voto popular -a última vez em que isso aconteceu foi em 2000, quando o republicano George W. Bush venceu sobre o democrata Al Gore Jr. após controvérsias na contagem de votos na Flórida.
Como o voto não é obrigatório nos EUA, o principal desafio das campanhas é convencer os eleitores de certos grupos populacionais a ir às urnas.
No pleito de 2016, as chances de Trump vencer são maiores caso seja fraco o comparecimento às urnas em Estados-pêndulo de negros, mulheres e latinos, eleitorado mais afeito a Hillary.

Veja também

Camila Pitanga estrela campanha do TSE por mais mulheres na política
Eleições 2020

Camila Pitanga estrela campanha do TSE por mais mulheres na política

Saiba como denunciar atos presenciais de campanha que gerem aglomeração
Eleições 2020

Saiba como denunciar atos presenciais de campanha que gerem aglomeração