Humberto admite construção de 'consenso' antes do dia 10

Senador grifa que aliança é do interesse nacional do PT

Humberto CostaHumberto Costa - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Se no PSB já reinava uma expectativa de que a definição do PT sobre aliança no Estado saísse antes dia 10 - data agendada pela sigla para votar se terá ou não candidatura própria -, como a coluna registrou no último sábado, do lado do PT, a hipótese também passa a ser considerada. Ontem, o senador Humberto Costa fez a seguinte ponderação: "Naturalmente, se a gente construir um consenso ou uma posição unificada antes disso (dia 10), o encontro (do PT) vai ser feito, mas terá um caráter diferente". Antes disso, fez uma consideração: "O trabalho todo nosso é para construir a decisão, qualquer que seja ela, no entendimento, na conversa, no convencimento de uma parte pela outra". Ainda segundo o senador, hoje, existe "maioria pequena" favorável à realização de uma aliança, "porque isso é uma coisa do interesse nacional do PT". No entanto, se a direção nacional der uma orientação objetiva nesse sentido, "essa maioria cresce bastante", pontua Humberto. Sobre a vídeoconferência realizada ontem, entre a direção nacional e representantes do PT de Pernambuco, Humberto classificou: "A presidenta (Gleisi) colocou muito claramente que, desde novembro, existem conversas iniciais, que se intensificaram ao longo desses últimos dois meses, especialmente no último mês". Havia uma reunião agendada entre Gleisi e Paulo Câmara para a última terça-feira, que acabou não ocorrendo em função dos transtornos causados pela crise de abastecimento. A presidente nacional, por sua vez, já tentava, desde a última sexta-feira, promover encontro com os petistas pernambucanos, o que acabou se dando por vídeoconferência na última quarta. Gleisi não bateu o martelo durante a conversa com correligionários pernambucanos, mas ficou de remarcar com Paulo Câmara, segundo Humberto. E esse novo encontro pode ser decisivo.

Gleisi e Paulo Câmara
Ontem, Humberto Costa informou que o governador Paulo Câmara ficou de telefonar para Gleisi Hoffmann, visando a remarcar o encontro. O senador considerou a hipótese de essa conversa ocorrer no início da próxima semana, segunda ou terça-feira.

Reação 1 > Na Alepe, ontem, o deputado Isaltino Nascimento disse estar surpreso com as declarações do deputado federal Mendonça Filho, criticando a condução do governo Temer durante a crise gerada pela mobilização dos caminhoneiros.

Reação 2 > “Achei que tivesse lido uma frase dita por Danilo Cabral ou Tadeu Alencar. Estão querendo abandonar o barco de Temer porque essa gestão não serve, está sem rumo”, discursou Isaltino.

Cautelar > A empresa HS Lira conseguiu uma cautelar no TCE para suspender licitação de R$ 16 milhões, referente a contrato com a Prefeitura do Recife para aluguel de 454 veículos. Alegou que sua desclassificação na licitação foi indevida. A relatora, Teresa Duere, suspendeu o pregão e deu cinco dias para a gestão prestar esclarecimentos.

Desencontro > Sobre abrir ou fechar em meio à crise dos caminhoneiros, os tribunais do Recife adotaram posições diferentes. Ontem, no TRF5, deu-se ponto facultativo, mas TJPE, TCE, TRT6 tiveram expedientes normais. Hoje, TRT6 e TRF5 trabalharão normalmente, mas TCE, TJPE e TRE fecham.

De mal > Humberto Costa relatou, ontem, que o ex-ministro da Sáude, Ricardo Barros, deixou de falar com ele após o embate pela manutenção da Hemobrás em Pernambuco. O progressista queria levar a empresa para o Paraná. O petista relatou o mal-estar durante balanço dos sete anos e meio de mandato com a Imprensa.

Veja também

Magistrados e políticos se mobilizam para emplacar aliados no Judiciário
Tribunais

Magistrados e políticos se mobilizam para emplacar aliados no Judiciário

Apex retira do ar artigo que recomendava livros de desafetos do governo Bolsonaro
Conteúdo removido

Apex retira do ar artigo que recomendava livros de desafetos do governo Bolsonaro