Humberto e Marília agem para fazer valer prazo de Lula

Humberto intermediou para que o diretório municipal aguardasse ele e Marília voltarem do Rio para estabelecer o calendário

Marília Arraes Lula e Humberto CostaMarília Arraes Lula e Humberto Costa - Foto: Instituto Lula

A reunião da executiva nacional do PT, realizada na última sexta-feira, no Rio de Janeiro, decidiu, entre outras coisas, que o prazo para os diretórios municipais tomarem decisões sobre eventuais projetos majoritários vai até junho. Esse calendário elástico, no entanto, atropelaria o acordo político feito entre as lideranças de Pernambuco e o ex-presidente Lula no sentido de que uma decisão, no Recife, saia até o final de março. A executiva nacional, então, também definiu que esse prazo pode ser antecipado, mediante assinatura de dois terços do diretório municipal. Mas há ainda a possibilidade de o próprio pré-candidato pedir esse adiantamento.

Oficialmente, na prática, Marília Arraes poderia requisitar que o diretório do Recife estipule calendário que atenda ao acordo feito com Lula, mas ela tem preferido buscar um entendimento sem ir ao confronto. Não à toa, procurou o senador Humberto Costa para solicitar que a reunião do diretório municipal, realizada no último sábado, não entrasse no mérito de calendário, uma vez que ela não estaria presente. Tanto ela quanto Humberto Costa encontravam-se no Rio de Janeiro, onde ocorreu a reunião da executiva nacional e a festa dos 40 anos do PT. Marília já havia feito esse pedido, mas o intermédio de Humberto foi o que acabou fazendo o diretório municipal atender o pleito. Humberto fez a ponderação junto a Oscar Barreto, secretário de Saneamento da gestão Geraldo Julio, que, como ele, também defende a manutenção da aliança com a Frente Popular. O senador tem dito a pessoas próximas que" ninguém está querendo criar dificuldade" e Marília, por sua vez, quer prazo para construir a candidatura e ainda se debruçar sobre montagem de chapa proporcional. Para isso, é preciso fazer valer o limite previsto, no último dia 28 de janeiro, durante a reunião com o ex-presidente Lula. E essa data seria 29 de março.

 

A favor de Santiago. Por quê?
O deputado federal João Campos foi um dos que votou contra a decisão do STF de afastar o deputado Wilson Santiago do mandato. Mas faz questão de explicar o porquê. "Não votamos o mérito. Não votamos se ele fez certo, se fez errado, se ele tem culpa. Nós votamos pelo procedimento. O deputado Wilson Santiago foi afastado da Câmara, do seu mandato, por um único ministro do Supremo, através da decisão de uma única pessoa sem ele nem ter tido acesso à investigação", assinala o socialista.
Último caso > João completa: "Ele pode ir para comissão de ética, se for constatado que, de fato, cometeu os crimes e eu mesmo serei o primeiro a votar para ele perder o mandato", emenda João.
Minoria > De Pernambuco, só cinco deputados votaram pela manutenção do afastamento de Wilson Santiago: André Ferreira, Daniel Coelho, Pastor Eurico, Tadeu Alencar e Túlio Gadêlha.
Cúpula 1 > Diretor do Arquivo Público de Pernambuco e ex-secretário de Imprensa do governo Eduardo Campos, o jornalista Evaldo Costa tem se debruçado sobre a possibilidade de concorrer a uma vaga na Câmara de Vereadores do Recife.
Cúpula 2 > Já levou o tema à mesa com o governador Paulo Câmara, com o prefeito Geraldo Julio, com o presidente do PSB-PE, Sileno Guedes, e com o deputado João Campos. Evaldo tem dito que não fará nada sem a aquiescência deles.
Coxias > Nos bastidores do PSB, há quem jure que já houve reunião que juntou, entre outros, Sileno Guedes e o secretário André Longo para tratar do projeto de Evaldo, inclusive. 

Veja também

China também precisa da gente, diz Bolsonaro em meio a impasse sobre insumos de vacinas
Coronavírus

China também precisa da gente, diz Bolsonaro em meio a impasse sobre insumos de vacinas

Em reunião com chanceler da Índia em novembro, Ernesto criticou globalismo, mas não falou de vacina
Coronavírus

Em reunião com chanceler da Índia em novembro, Ernesto criticou globalismo, mas não falou de vacina