Humberto vê discurso 'meia boca' de quem quer disputar pelo PT

Humberto avalia que o discurso de "pretensos candidatos do PT" só bate no PSB e esquece do palanque de Temer

Humberto CostaHumberto Costa - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Diferentes lideranças da PT já ponderam, nas coxias, que não necessariamente eventual aliança na majoritária implicará em chapão para disputa proporcional. Em 2014, sozinho, o PT poderia ter eleito três deputados federais, pelas contas de petistas. A legenda estava, no entanto, coligada com outros partidos, entre os quais o PTB, do senador Armando Monteiro Neto, que encabeçou a chapa majoritária e acabou elegendo quatro deputados federais. Esse cálculo tem pesado. O senador Humberto Costa, que tem atribuído a decisão de ter candidatura própria ou não à Executiva Nacional, observa que independente de coligar ou não, o que o PT precisa "é montar a sua chapa, com chapão ou sem chapão, com aliança ou sem aliança, para que possa eleger sua bancada".

Se, em 2014, o partido tinha condição de eleger três, "por que não pode eleger agora em chapa própria?", indaga Humberto. E emenda: "Se houver candidatura própria, a candidatura não pode ser o que está acontecendo agora, que só se bate no PSB. Os verdadeiros adversários nossos são os que fazem o palanque de Temer, onde está aquele pessoal todo da direita histórica, que nunca aceitou nem (Miguel) Arraes". O senador prossegue: "O que vejo de complicado no discurso dos pretensos candidatos do PT é que esse discurso bate no PSB e esquece de quem são os verdadeiros adversários que temos em nível nacional. Está faltando isso". Em outras palavras, ele resume: "O discurso das pessoas que querem ser candidatas do PT está meia boca. Só ataca o Governo do Estado. Nós somos oposição, tudo bem. Mas eu leio que o maior perigo para Pernambuco é essa aliança que está se construindo aí e contra a qual não há uma palavra". Hoje, quem intensifica a atuação enquanto pré-candidata é a vereadora Marília Arraes, que deixou as hostes socialistas com várias críticas ao PSB.

Um gesto de Henry com Temer
Governador em exercício, Raul Henry estará, hoje, em Cabrobó para receber o presidente Michel Temer, que comparece à solenidade de entrega da estação EBI-2 do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco. O encontro se dá em meio ao imbróglio que envolve a disputa pelo controle do PMDB-PE.

Intervalo > O último encontro de Henry com o presidente deu-se no último dia 6 de dezembro, quando ele e o deputado Jarbas Vasconcelos estiveram em Brasília em reunião com o chefe do Planalto. A questão do PMDB-PE foi à pauta.

Expectativa > À coluna, Jarbas chegou a falar da expectativa de que Temer "não tome partido" e de que considere a relação antiga com Henry. O presidente nacional, Romero Jucá, vem trabalhando para que o senador Fernando Bezerra assuma o comando do PMDB-PE.

Interinidade > Ontem, durante a reabertura dos trabalhos legislativos, Raul Henry optou por deixar a leitura da mensagem a cargo do secretário da Casa Civil, Nilton Mota. O vice-governador observa que o fez após ouvir o presidente da Assembleia, Guilherme Uchoa, e o líder da bancada governista, Isaltino Nascimento.

Espaço do outro > "Como o governador (Paulo Câmara) não foi nos últimos dois anos, achei que era adequado eu também não ir. E essa foi a opinião do presidente da Assembleia e do líder da bancada governista", pontua Henry à coluna.

Corrupção > Retornando de Brasília onde foi conselheiro nacional do MP, o procurador do MPF, Fábio George, foi eleito ontem coordenador do Focco-PE, fórum de combate à corrupção do Estado, que reúne Ministério Público de Contas, TCU, PF e outras 20 instituições.

Veja também

Governo escala relações públicas ambiental contra fuga de investidores
Meio Ambiente

Governo escala relações públicas ambiental contra fuga de investidores

Parte dos recursos para novo Bolsa Família já está comprometida neste ano
Bolsa Família

Parte dos recursos para novo Bolsa Família já está comprometida neste ano