Imprensa é aliado importante para esclarecer necessidade da reforma, diz Marun

Ministro criticou também decisões tomadas recentemente pelo Judiciário brasileiro, que acabaram por colocar em risco a administração e a economia do país

Relator da CPMI da JBS, Carlos MarunRelator da CPMI da JBS, Carlos Marun - Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse nesta terça-feira (6) que o governo "só trabalha com um plano A", que é o de votar e aprovar a reforma da Previdência ainda em fevereiro. “É tudo ou tudo”, disse, ao apontar a imprensa como "aliado importante " no sentido de melhor esclarecer a necessidade da reforma.

“Falta pouco tempo, mas falta pouco voto. É difícil mas não é impossível”, disse em um evento promovido pela Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig).

Leia também
Temer vê dificuldade em aprovar reforma da Previdência depois de fevereiro
Prazo para votar Previdência é “fevereiro, e ponto final”, diz Rodrigo Maia


Segundo Marun, o governo precisa obter mais 40 ou 50 votos dos indecisos para garantir a aprovação da matéria. De acordo com o ministro, os esclarecimentos que a mídia vem dando sobre o assunto têm sido relevantes para o convencimento geral. “As editorias econômicas dos principais órgãos de imprensa estão sendo esclarecedores em suas informações. Este é um aliado importante que temos”, acrescentou.

Marun aproveitou o encontro para destacar alguns avanços recentes do país, do ponto de vista econômico, e lamentou o fato de, mesmo em meio "a resultados positivos", o presidente Michel Temer ser vítima de uma "conspiração asquerosa que buscava, em função de interesses mesquinhos, retirá-lo do poder”.

O ministro chegou a comparar a situação do atual presidente à vivida pelo ex-presidente Getúlio Vargas pouco antes do suicídio, em 1954. Referindo-se a Temer, Marun disse que, em alguns aspectos, ele sofreu “o maior ataque e a maior barragem de artilharia de notícias mentirosas e negativas que um governo já sofreu aqui no país".

"Por muito menos do que isso, o presidente Getúlio Vargas deu um tiro no peito, e ele era um homem valente. Esta é a realidade. O presidente Temer, com aquele jeito que muitos pensam ser frágil, mostrou ser duro como uma rocha e frio como um iceberg”.

O ministro criticou também decisões tomadas recentemente pelo Judiciário brasileiro, que acabaram por colocar em risco a administração e a economia do país. Referindo-se à dificuldade que Temer vem tendo para conseguir nomear a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) para o cargo de ministra do Trabalho, Marun disse que o caso “atropela um princípio básico da democracia”, que é a independência dos poderes. “Mas o governo Temer não vai vacilar na defesa de suas prerrogativas”, acrescentou.

Veja também

Comissão quer ouvir Pazuello sobre logística de medicamentos
Política

Comissão quer ouvir Pazuello sobre logística de medicamentos

Políticos de oposição criticam 'politização' e militares no Ministério da Saúde
Política

Políticos de oposição criticam 'politização' e militares no Ministério da Saúde